Marcius Melhem censura revista contra nova reportagem sobre assédios

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Marcius Melhem conseguiu proibir uma reportagem de ser publicada (Foto: Globo)
Marcius Melhem conseguiu proibir uma reportagem de ser publicada (Foto: Globo)

O humorista Marcius Melhem conseguiu na justiça censurar a revista “Piauí” contra a publicação de uma nova reportagem sobre os assédios que ele foi acusado e responde judicialmente.

“Desde o dia 12 de agosto, a ‘Piauí’ está proibida de publicar uma reportagem sobre os desdobramentos do caso Marcius Melhem, o humorista acusado de assediar sexualmente pelo menos oito mulheres, todas colegas de trabalho”, começa o texto assinado pelo jornalista João Batista Jr.

Leia também:

Ele relata que no início de agosto entrou em contato com a assessora de imprensa do ex-diretor da TV Globo para pedir a posição dele sobre uma nova reportagem que seria publicada. Após os 5 dias de prazo, a profissional pediu mais dois para uma resposta e no meio tempo entrou com uma ação na justiça.

“Enquanto negociava mais tempo para responder, Marcius Melhem, por meio de seus advogados, entrou na Justiça pedindo que a revista fosse submetida à censura prévia e, assim, impedida de publicar a reportagem em apuração. No dia 12, a juíza Tula Corrêa de Mello, da 20ª Vara Criminal da Justiça do Rio de Janeiro, acatou o pedido de Melhem e determinou ‘a suspensão, pelo tempo que durarem as investigações, da publicação de matéria na revista piauí ou seu respectivo site’”, relata o texto.

O descumprimento da decisão acarreta uma multa de R$ 500 mil à publicação e sua retirada imediata dos exemplares de pontos de venda e a retirada do conteúdo do ar caso publicado no site da revista. “No direito criminal, a guarda de sigilo judicial cabe aos funcionários da Justiça e às partes envolvidas no processo, e não aos jornalistas”, aponta o texto.

Vale ressaltar que censura, como a conhecemos após 20 anos de ditadura militar, só é praticada através do Estado, representada pelo judiciário neste caso. Foi o veículo que divulgou as primeiras denúncias contra Melhem. Elas causaram a ele sua sumária demissão da TV Globo e uma investigação no Ministério Público do Rio de Janeiro. A emissora é investigada no Ministério do Trabalho já que alguns casos aconteceram dentro dos limites dos Estúdios Globo e em festas corporativas.

O jornalista ressalta que a “Piauí” recorre da decisão de censura prévia. A defesa de Melhem alega que ele não pode responder aos questionamentos do repórter por conta do “sigilo decretado nos processos”.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos