Marcelo Adnet critica Bolsonaro em paródia: "Xinguei mulheres de todas as coisas"

Marcelo Adnet e Jair Bolsonaro (Fotos: Divulgação/TV Globo/Mateus Bonomi/Anadolu Agency via Getty Images)
Marcelo Adnet critica Bolsonaro em paródia: "Xinguei mulheres de todas as coisas" (Fotos: Divulgação/TV Globo/Mateus Bonomi/Anadolu Agency via Getty Images)

Conhecido por não ter papas na língua e ser um forte crítico ao presidente Jair Bolsonaro (PL), Marcelo Adnet "encarnou" o político em uma nova paródia, que viralizou nas redes sociais neste sábado (17). Nela, o humorista reinventa a canção "Mulheres", de Martinho de Vila, em formato de crítica a Bolsonaro.

Na letra, Adnet aborda todas as polêmicas recentes envolvendo o presidente, incluindo os ataques contra a jornalista Vera Magalhães e o coro de "imbrochável" puxado por Bolsonaro durante manifestações que ocorreram no último feriado de 7 de setembro.

Ele também relembrou polêmicas antigas, como a fala do então pré-candidato à presidência, em 2017, quando Bolsonaro afirmou que teve uma filha porque deu uma "fraquejada" durante a concepção de sua caçula, Laura.

"Já xinguei mulheres de todas as coisas, de barbaridades, muitos desaforos. Com umas até algum tempo casei, para outras apenas imóveis comprei. Mulheres com Lula dizem [que] sou genocida. Suas fraquejadas, estilo Anitta", canta Adnet na canção, em uma imitação perfeita da voz de Bolsonaro.

"Laranja ou crente, empreiteira raiz. Sou macho com elas, que cuidam de mim. Mulheres jornalistas, da mídia comprada, mulheres que fazem perguntas demais, mas nenhuma delas deposita tão bem quanto a 'Micheque' faz", continua.

O humorista trocou o nome da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, pelo apelido que ela ganhou após a revelação de um suposto depósito de R$ 89 mil na conta da mulher do presidente, feito por Fabrício Queiroz, pivô do escândalo de rachadinhas no gabinete de Flávio Bolsonaro, um dos filhos de Bolsonaro.

"Procurei em todas as mulheres a virilidade, mas eu não encontrei e fiquei na saudade. Perdi as ereções, eu já cheguei ao fim. Você é o PSOL da minha vida, só me faz maldade, atacas hemorróidas, brocha à vontade... e o Interrompendo vai chegando ao fim", conclui Adnet.

Confira a música: