Carlitos e o Chaplin Maradona

Mauro Beting
·1 minuto de leitura

ESCREVE ANDRÉ AVLIS

@textosecronicas no Instagram

D.E.S.T.I.N.O

Substantivo masculino. Tudo que é determinado pela providência ou pelas leis naturais; sorte, fado, fortuna. O que há de vir, de acontecer; futuro.

Carlitos vem de um lugar onde muitos dão errado - o Forte Apache.

De onde o rumo nem sempre, ou quase nunca, é o do triunfo.

Carlitos é do povo. Veio do povo. E para o povo sempre volta. Tipo Diego Maradona. A quem tinha tanta afeição e proximidade.

Diego era como um pai para Tevez. Protetor e cuidadoso.

O presenteou com algo que usou em 1981, num clássico contra o River.

Um manto eternizado e quase canonizado. Onde aquele que veste, parece ter poder. Como se Deus abençoasse - ou talvez o próprio Maradona.

Vestiu a camisa. Sobrepondo sua própria. Juntando-as como o caminho que uniu os dois.

Semelhantes em histórias. Parecidos em origens. Análogos em lutas.

Tevez sabia que ia marcar. Assim como Messi também sabia, no último dia 29, contra o Osasuna. Como se tudo fosse sina. Fatalmente sem acaso.

Onde o menino do Apache chegou ainda mais perto de quem tanto amava.

Um gol. Uma homenagem. Uma reverência.

De Carlitos para Diego.

Tevez e o destino.

ESCREVEU ANDRÉ AVLIS