Mais do que só móbiles: trabalho variado de Alexander Calder em exibição no Moma em NY

·2 minuto de leitura
Obra de Alexander Calder em exibição na Suíça

(Reuters) - Conhecido por seus populares móbiles, a ampla gama de trabalhos do artista Alexander Calder está em exibição no Museu de Arte Moderna de Nova York, o Moma.

A exposição, chamada "Alexander Calder: Moderno desde o início", reúne a variada e rica coleção que o Moma tem do artista norte-americano.

Cara Manes, curadora da exposição, disse que o objetivo é mostrar o quão variado e exploratório era o artista.

"Eu acho que muitos de nós podemos apenas fechar nossos olhos e imaginar um Calder", disse Manes. "O que eu espero é que essa exposição mostre como sua prática era variada e multifacetada".

Nascido na Pensilvânia em 1898 e tendo estudado engenharia, Calder, cujo pai e avô também eram escultores, se mudou para Paris nos anos 1920.

Lá, foi influenciado por artistas da avant-garde e abstratos como Fernand Leger, Joan Miró e Marcel Duchamp, que cunhou o termo "móbile" para descrever as construções de Calder.

"Colocando de maneira simples: é uma escultura que se move", disse Manes.

Calder depois se mudou de volta para os Estados Unidos e trabalhou de seu estúdio em Roxbury, no Estado de Connecticut. Ele morreu em 1976.

De esculturas grandes de folhas de metal aparafusadas até pequenas caricaturas de arame, a exposição oferece um novo olhar sobre o artista criativo e engenhoso.

"Seu trabalho não se encaixa facilmente no que agora conhecemos como categorias muito mais rígidas da história da arte", disse Manes.

"Algumas são figurativas, algumas são abstratas. Ele se estende por essas esferas e faz isso às vezes em uma mesma obra."

Manes disse que a relação entre Calder e o Moma começou em 1930, apenas um ano após a abertura do museu, e continuou por mais de quatro décadas.

A exposição utiliza a coleção do Moma com algumas obras adicionais emprestadas da Fundação Calder.

"Alexander Calder: Moderno desde o início" estará em exibição de 14 de março até 7 de agosto de 2021.

(Reportagem de Soren Larson)