Mais pimenta na dieta

Julia Couto, do Area M

Se você está fazendo dieta, talvez seja a hora de colocar mais pimenta nas suas refeições. Isso porque, o alimento, pouco consumido pela maioria, funciona como um termogênico, aumentando a temperatura corporal e auxiliando no gasto calórico. “Os alimentos termogênicos são aqueles que têm a capacidade aumentar o gasto energético do seu organismo durante o processo digestivo e metabólico”, explica Luciana Harfenist, nutricionista da Funcionali Nutrição Funcional Personalizada.

Leia mais no Area M:
Já ouviu falar nos efeitos do Victoza?
Chia, a amiga da dieta



Segundo Luciana, a termogênese é um processo regulado pelo sistema nervoso e  algumas interferências neste sistema  podem ajudar no emagrecimento e também no controle da obesidade. Na prática isso significa que aliar uma dieta saudável e rica em exercícios com o consumo da pimenta potencializa o gasto calórico, acelerando aqueles resultados tão esperados.

No entanto, não adianta pensar que apenas incluir a pimenta no cardápio irá mudar muita coisa. Ou seja, ela deve funcionar como um complemento, nunca como agente principal. “De acordo com algumas pesquisas, além de aumentar a temperatura do corpo, o consumo de pimenta também liberaria catecolaminas, que diminuiriam o apetite, auxiliando na perda de peso”, conta a nutricionista Karine Nunes Costa Durães.

O gosto ardido do alimento é gerado pela capsaicina, que além de servir como termogênico possui outras funções benéficas para o organismo. “Estudos conseguiram comprovar que a capsaicina possui também propriedades antioxidantes, moduladora da inflamação, anticarcinogênicas e antimutagênicas”, explica Luciana. Além disso, o alimento também é fonte de vitamina C, ácido fólico, licopeno e outras diversas substâncias.

Mas diferente de outros termogênicos, como canela e chá verde é preciso moderação na ingestão de pimenta, isso porque, alguns de seus ingredientes podem causar irritação estomacal e agravar outras doenças. “Pessoas que possuem patologias como úlcera, gastrite, hemorroida ou algum desconforto gástrico relacionado ao consumo da pimenta devem evitá-la”, diz Karine.


Caso você não tenha costume de consumir o alimento em suas refeições, a dica é começar aos poucos, ou seja, antes de se entregar de vez aos benefícios da pimenta, é preciso saber qual a sua tolerância para o alimento. Uma dica da nutricionista Luciana é ir aumentando a quantidade aos poucos, para então conhecer o seu limite de tolerância.

De acordo com Karine, ainda não existe uma quantidade determinada de ingestão para que o alimento faça algum efeito positivo no organismo. Mas pesquisas realizadas neste sentido mostram que 3 gramas diáriasjá ajudam a turbinar os efeitos da dieta.

Para evitar o gosto ardido na boca, que desagrada muita gente, as duas nutricionistas sugeriram opções distintas. “Uma alternativa é solicitar ao nutricionista uma suplementação com a substância, para que a mulher não sinta o ardor”, explica Karine. Já existe no Brasil cápsulas de termogênicos em pó, que podem fazer esta função, mas é importante consultar com um profissional para saber sobre os efeitos do remédio. A nutricionista Luciana sugere misturar a pimenta em molhos e temperos.

Receitas:
Para te ajudar nesta missão, seguem duas receitas elaboradas pela nutricionista Luciana

Tempero base para marinadas de carne e frango
- 1kg de cebolas
- 1 xícara de azeite
- 1 xícara de vinagre
 - 4 colheres (sopa) de sal
- 1 colher (sopa) de pimenta
- 1 colher de cúrcuma

Modo de preparo:
Liquidificar tudo e guardar em um vidro na geladeira. Serve para todo tipo de prato salgado. Usar uma base de oito colheres (sopa) por quilo de carne.

















Azeite com Pimentas (tempero para saladas ou para uso em diversas receitas)
Esse azeite fica muito saboroso e picante, podendo ser usado com carnes de aves ou carnes vermelhas.
- 300 ml de azeite de oliva
- 200 ml de óleo de girassol
- 4 pimentas malaguetas 



Modo de preparo:
Lave as pimentas e seque-as, cuidadosamente, sem retirar os pedúnculos. Coloque os óleos e as pimentas em uma garrafa esterilizada e completamente seca, deixe por alguns dias antes de usar.
(validade aproximada de 1 mês)

Leia mais no Area M