Mãe é recebida em aeroporto com cartaz dizendo “Seja bem-vinda da prisão!”

istock/Getty Images

Uma mulher que retornava de uma viagem a trabalho foi recebida no aeroporto pelo filho segurando um cartaz com a frase: “Seja bem-vinda da prisão, mãe!”

Barbara Nielson, de Oklahoma, Estados Unidos, estava voltando para casa após uma viagem a trabalho de uma semana em Arkansas.

O filho dela a recebeu no saguão de desembarque (Facebook)

Seu marido Brandon e seu filho Daimen foram ao aeroporto para recebê-la com o cartaz.

Uma foto mostra Daimen sorrindo de orelha a orelha enquanto segura a mensagem engraçada.

Felizmente, Barbara conseguiu achar graça na situação e postou a foto do incidente no Facebook. Desde então, a publicação viralizou.

“Brandon é um bobo. Este é o cartaz que Daimen estava segurando quando eu saí do avião,” dizia o post original.

Brandon não foi o primeiro a pregar uma peça e fazer uma brincadeira no aeroporto. Uma mulher recebeu a amiga com uma garrafa de champanhe e um cartaz enorme que dizia: “Kirsten, seja bem-vinda da reabilitação!”

(Facebook)

Outra foto mostra uma pequena criança sentada num carrinho, atrás de um cartaz enorme que diz: “Oi, eu acabei de te conhecer, e isso é uma loucura, mas meu nome é Harper e sou o seu bebê”. Em inglês, o texto contém a letra da canção popular de Carly Rae Jepsen, ‘Call Me Maybe’.

Um homem publicou uma foto dele mesmo com um cartaz que dizia: “Tom, você quer se casar comigo?”. Ele disse que é assim que recebe seus amigos heterossexuais no aeroporto.

Labrador retriever no aeroporto (istock/Getty Images)

Aqueles que estão buscando uma recepção mais afetuosa no saguão de desembarque, podem gostar de voar para o Aeroporto Internacional de São Francisco, nos Estados Unidos. Em 2013 o aeroporto lançou o The Wag Brigade, um grupo de cães treinados para que os passageiros brinquem com eles e melhorem suas experiências de viagem. Em 2016 uma porquinha chamada Lilou se juntou à equipe. Escolhidos a dedo por seu temperamento gentil e amável, os animais podem ser identificados por coletes que dizem “Faça carinho em mim!”

Joanna Whitehead

The Independent