Mãe quase sufoca filho depois que o seu cabelo ficou preso no pescoço do bebê

Dormir junto com o bebê é um assunto que divide a opinião dos pais [Foto com modelos: Getty]

Por Marie Claire Dorking

Uma mãe falou sobre os perigos de dormir junto aos bebês, depois que seu cabelo quase estrangulou o filho até a morte. Emma Lewis Chipili, 35 anos, estava dormindo na cama com seu bebê, Lincoln, de 16 meses, quando percebeu que seu cabelo estava enrolado em volta do pescoço da criança.

Receba no seu Whatsapp as novidades sobre o mundo dos famosos (e muito mais)

Esta mãe, que tem seis filhos, deixa o filho dormir na mesma cama desde que este era bebê, e normalmente amarra o cabelo, mas o soltou porque estava com dor de cabeça. “Eu adormeci e pude senti-lo se movendo, depois que acordei, me levantei e percebi que meu cabelo estava apertado em torno do bebê”, disse ela ao Wales Online.

Emma disse que começou a entrar em pânico e quanto mais ela tentava soltar o cabelo, mais parecia se apertar em torno do bebê. Felizmente, seu marido Justin chegou em casa e conseguiu tirar Lincoln dos cabelos da esposa.

Agora, a mãe foi ao Facebook alertar outros pais para terem cuidado ao dormir ao lado de seus filhos. “Bem, essa foi a coisa mais assustadora que já aconteceu comigo”, escreveu ela, antes de contar aos outros pais a história aterrorizante.

Ela também pediu às mães com cabelos compridos, que dividem a cama com seus filhos, para amarrarem o cabelo antes de deitar. Não é a primeira vez que uma mãe fala sobre os riscos de dormir junto do bebê.

Leia mais: Foto de bebê que nasceu sem romper a bolsa impressiona

A mãe Amanda Saucedo, que perdeu seu bebê de um mês de idade por causa da Síndrome da Morte Súbita Infantil (SMSI), iniciou uma organização sem fins lucrativos chamada Benny Bears para alertar outros pais sobre esses perigos.

“Muitas pessoas me dizem que, se seus bebês morressem durante o sono, iriam querer estar ao lado da criança, ao invés de deixá-la morrer sozinha. Eu também tenho que discordar desse ponto de vista”, disse ela após a morte de seu bebê.

“A dor de não saber se meu bebê ainda estaria vivo caso estivesse dormindo sozinho é algo que eu levarei para o túmulo comigo… Mas eu espero que ninguém sofra esse sentimento de culpa e da dúvida da resposta.”

A questão do sono compartilhado é algo que divide os pais. Enquanto muitos tomam precauções para garantir que estejam dormindo com seus filhos da maneira mais segura possível, um estudo recente sugere que existem alguns riscos associados à esta prática.

Embora possa ser reconfortante saber que se algo acontecer, você vai estar ali pertinho, a pesquisa aponta que morrem quase três bebês por semana, em uma situação na qual “dormir juntos” foi um fator.

Os números, mantidos pelo Departamento de Educação, foram liberados após um pedido da Lei de Liberdade de Informação. Eles revelaram que houve 141 óbitos relacionados ao sono compartilhado na mesma cama em 2017, 131 em 2016 e 121 em 2015.

Uma mãe alertou sobre os riscos de dormir com o bebê depois que seus longos cabelos quase sufocaram seu filho [Foto com modelos: Getty]

Os números preocupantes, sem dúvida, contribuem para que muitos pais não sejam honestos sobre o fato de que dormem com seus filhos.

“Alguns pais optam por compartilhar uma cama com seu bebê, mas recomendamos que eles tenham em mente os fatores de risco”, explicou Francine Bates, do The Lullaby Trust. Se os pais acidentalmente rolarem, podem esmagar o bebê, levando-o à sufocação ou superaquecimento.

A chance de isso acontecer aumenta para os pais que fumam, que tomam remédios, que ingerem álcool ou que estão muito cansados.

Leia mais: Pai publica alerta após fralda do filho explodir com ‘gelatina cristalizada’

“Há também um risco maior se o bebê for prematuro ou tiver baixo peso ao nascer”, acrescentou Bates. Pais que dormem com seus filhos de forma adequada, citam os benefícios, incluindo maior segurança e menor chance de ansiedade para a criança por causa da separação.

Acredita-se também que o desenvolvimento geral do bebê é melhorado quando ele é mantido próximo do cheiro e do conforto dos pais.

Dormir com o bebê já foi considerado, previamente, uma prática para diminuir a chance de ocorrência da Síndrome da Morte Súbita Infantil (SMSI), mas a pesquisa do ano passado revelou dados que colocam dúvidas sobre essa afirmativa.

SMSI, quando um bebê morre durante o sono sem motivo aparente, é mais provável de ocorrer durante o sono compartilhado com os pais.

Bates disse: “O lugar mais seguro para um bebê dormir é em seu próprio berço ou em um berço no quarto dos pais até que ele atinja, pelo menos, seis meses de idade.”

“Se você está amamentando na cama, faça isso em uma posição na qual você não possa vir a adormecer. Uma boa dica é colocar um alarme no seu celular.”