Macho Detox: Luiza Brunet e Fernando Rocha discutem violência contra mulher

Fernando Rocha
·2 minuto de leitura
Luiza Brunet fala sobre sua experiência e como identificar violências (Foto: Reprodução/Instagram)
Luiza Brunet fala sobre sua experiência e como identificar violências (Foto: Reprodução/Instagram)

“O agressor de uma mulher é um homem comum que incorporou padrões violentos”. Onde, como e quando esses padrões são incorporados?

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter, e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentários.

Fazer essa pergunta também é uma forma de prevenção. Por que a cada uma 1h30 uma mulher morre por ser mulher.

Leia também

Durante a quarentena a violência doméstica aumentou de forma assustadora em vários países do mundo.
A ONU fez um alerta sobre o assunto. E a gente fez esse episódio. Minhas convidadas são a empresária e ativista Luiza Brunet e a promotora Valeria Scarance, coordenadora do núcleo de gênero do Ministério Publico de Sao Paulo.

OUÇA AQUI

A conversa com as duas foi ótima. Existem sempre informações importantes sobre esse problema que atinge todas as classes sociais.

Violência contra mulher também pode acontecer sem agressão física. Quais os sinais de um relacionamento tóxico? É possível perceber? Elas acreditam que sim e dão algumas dicas pra terminar esse tipo de relação.

“Quem julga uma mulher cala a outra. Quem estende a mão salva vidas”. Essa frase é o farol, é quase o lema das convidadas desse episódio.

OUÇA TAMBÉM


E claro que a gente também fala sobre “meter a colher” em briga de marido e mulher. Uma briga desigual e covarde, mas que ainda tem muito preconceito e o conceito errôneo que não se deve interferir.

Em uma inversão absurda de valores é a mulher que tem julgamento social. Durante a conversa com elas em vários momentos eu me peguei pensando: "Como tudo isso ainda acontece?"

Pois então... é um absurdo, mas ainda acontece.

Aperte o play apure seus ouvidos e junte sua indignação com a nossa. Bora lutarmos contra violência contra mulher.