Mãe salva filho de 5 anos que foi atacado por onça-parda nos EUA

Um menino de 5 anos sobreviveu ao ataque de um leão da montanha na Califórnia, nos EUA, na última terça-feira, dia 31. Identificado apenas como Jack, ele sofreu lacerações no rosto e uma fratura perto do olho, além de cortes, hematomas e arranhões pelo corpo, informou o site da People na quarta-feira. A criança estava acompanhada por sua mãe, que lutou contra o felino para proteger o filho.

De acordo com o capitão Patrick Foy, a probabilidade de ser atacado por um puma é baixa, mas caso aconteça, ele recomenda ficar de pé e gritar. Se tiver um apito, também pode ser uma opção para afastar o animal. Foy relatou que, nos últimos 37 anos, foram registrados 21 ataques de pumas na Califórnia, incluindo 10 contra crianças.

— Se atacado, lute como se sua vida dependesse disso — disse Foy à revista People, acrescentando que a família "fez tudo certo".

Foy disse ainda que este animal — de nome científico Puma concolor, mais conhecido como onça-parda no Brasil — tende a atacar as menores pessoas de um grupo. Ele disse ainda que o caso é investigado pelo Departamento de Pesca e Vida Selvagem da Califórnia.

Enquanto isso, equipes buscam identificar o felino responsável pelo ataque à criança por meio da análise de DNA. Se encontrado, o puma será removido daquela área, informou Foy.

Uma campanha de financiamento coletivo criada para arcar com as despesas médicas de Jack informa que o episódio ocorreu enquanto o menino e sua mãe andavam perto da fazenda da família deles em Half Moon Bay, no condado de San Mateo. A descrição da vaquinha diz que a mãe de Jack lutou contra a onça-parda para proteger o filho.

"Aquele leão da montanha escolheu a criança e a mãe erradas para mexer", escreveu Amie Wagner, tia de Jack, no site do GoFundMe. "Ele é o carinha mais corajoso e aventureiro que já conheci e não estou surpresa que se houvesse uma criança que pudesse lutar contra um leão da montanha e sair por cima, seria Jack".

A campanha visa a arrecadar US$ 10 mil para cobrir os custos médicos de Jack.

Um grupo local de defesa dos animais acredita que o puma que atacou Jack provavelmente é um dos dois filhotes que vagavam pela área com sua mãe.