'Lya Luft deixa legado de reflexão', diz Luciano Huck; veja repercussão

·2 min de leitura
*ARQUIVO*RIBEIRÃO PRETO, SP, 27.05.2011: LYA-LUFT - A escritora Lya Luft fala em palestra no primeiro dia da 11ª Feira Nacional do Livro, no auditório Meira Júnior do Theatro Pedro II, em Ribeirão Preto (SP). (Foto: Silva Junior/Folhapress)
*ARQUIVO*RIBEIRÃO PRETO, SP, 27.05.2011: LYA-LUFT - A escritora Lya Luft fala em palestra no primeiro dia da 11ª Feira Nacional do Livro, no auditório Meira Júnior do Theatro Pedro II, em Ribeirão Preto (SP). (Foto: Silva Junior/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A escritora gaúcha Lya Luft morreu na madrugada desta quinta-feira (30), aos 83 anos, em decorrência de um câncer.

Autora de mais de 30 livros, como o best-seller "Perdas e Ganhos", de 2003, Luft também era conhecida pelo trabalho como tradutora. Entre os autores que trouxe para o português estão Virginia Woolf, Rainer Maria Rilke, Doris Lessing e Thomas Mann.

Políticos, escritores e famosos lamentam a morte da escritora nas redes sociais. Para o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), a despedida "abre uma lacuna difícil de ser preenchida".

Para o vice-governador gaúcho, Ranolfo Vieira Júnior (PSDB), "Lya Luft marcou sua geração e deixa um legado para todas as outras".

A deputada federal Maria do Rosário (PT-RS) exaltou Luft como "uma das maiores expressões da literatura brasileira. Uma das mais importantes tradutoras da língua inglesa" na mesma rede social.

Já o apresentador Luciano Huck afirmou que "Lya Luft deixa um legado de reflexão, sabedoria e elegância".

Afonso Borges, jornalista e organizador do Sempre um Papo, evento literário de entrevistas com autores, afirma que Luft era uma mulher "de uma coragem inacreditável". Para ele, amigo da escritora que a ajudou a organizar os lançamentos de todos os seus livros, Luft conseguiu transmitir ao grande público, através de sua literatura, a grandeza de sua vida.

"Lya era um esteio de cultura, de conhecimento e informação. Ela era uma grande tradutora, que vertia para o português diretamente do idioma original, do inglês e do alemão", ele disse, em depoimento a este jornal.

Borges também ressalta a importância de sua produção para a cena literária nacional: "Uma mulher que já estreou com romances de ficção elaboradíssimos. 'Reunião de Família' e 'A Asa Esquerda do Anjo' são clássicos da literatura brasileira".

Sônia Machado Jardim, presidente do Grupo Editorial Record, lamentou a morte em comunicado à imprensa: "Lya era escritora de uma sensibilidade enorme. Suas palavras sempre impactavam seus leitores, trazendo reflexões e sabedoria. Lembro um trecho do 'Perdas e Ganhos' em que ela pergunta: 'Se o Anjo da Morte bater na sua porta, o que você dirá para ele não te levar? As razões que você dará para que ele te dê mais tempo ainda nesta terra'. O Anjo chegou, e as palavras para convencê-lo se calaram. Perde o Brasil uma das suas maiores cabeças pensantes".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos