Lula: Equipe de festa da posse precisou refazer às pressas homenagem a Pelé após morte

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O palco gigantesco da festa de posse do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) montado na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, chama a atenção não só pela largura de 100 metros e pela altura central de 30 metros. Existe ali a representação, propositalmente voltada para cima, da bandeira nacional nas cores verde, azul, amarelo e branco. O símbolo tem ainda como destaque três estrelas, uma em cima da outra.

"Mas não são 27 (todos os estados brasileiros mais o Distrito Federal)?", perguntam-se alguns. É que o número três tem um significado especial para o projeto: o terceiro mandato de Lula como presidente, um fato histórico e inédito. "É uma celebração, a gente tinha que celebrar essa vitória depois de tudo que o presidente Lula passou. É também a representatividade da redenção e de uma perspectiva de futuro", explicou Warley Alves, o diretor artístico do Festival do Futuro. Ele, Batman Zavareze e Andrey Hermuche são os responsáveis por toda concepção da ideia, pensada e organizada pela futura primeira-dama, Rosângela da Silva, a Janja.

Em conversa com a reportagem nesta sexta-feira (30), Warley e Zavareze adiantaram algumas das surpresas que serão vistas no evento. Uma delas é a homenagem a Pelé, que morreu na quinta-feira (29), vítima de complicações de um câncer no cólon. O Rei do Futebol terá uma projeção especial no palco, que precisou ser refeita às pressas. "A ideia era passar uma mensagem de força e desejo por uma recuperação da saúde. Agora, o contexto é outro, e a intenção é exaltar um herói do nosso país", revelou Zavareze.

Imagens da trajetória pessoal e política de Lula também serão projetadas nos telões, assim como outras figuras relativas às identidades culturais do país. "O Brasil é muito plural e diverso, e próprio presidente fala isso. Claro que ele vai estar incluído, mas isso é uma parte", adiantou Batman, que assim com Warley se alimenta a poucas horas do evento dos números consideráveis do evento. Serão 65 artistas divididos em dois palcos (com aproximadamente 1 hora de show para cada atração) e um público estimado em 600 mil pessoas. Paulo Vieira, Titi Müller e Muka estão confirmados na apresentação.

A dupla também comenta que os dois palcos foram colocados lado a lado de forma proposital. Enquanto um show estiver ocorrendo, uma equipe estará preparando o próximo ao lado. "É um conceito de construção, de que estamos todos juntos e construindo coletivamente um grande show. Não é o diretor técnico, não é o assistente de iluminação que vai estar trabalhando no palco. É o artista. E todo mundo é o artista", explica Zavareze.

A dupla também falou sobre a relação com a Janja. "Ela é uma mulher muito antenada. Quer estar por dentro de como as coisas acontecem, como que faz, inclusive, quer entender tecnicamente todo o processo. Ela é disponível", resumiu Warley, que trabalha com Lula desde 2015.

"Conheci a Janja praticamente agora, e todas as pessoas me perguntam como ela é. O Lula tem carisma, aquele magnetismo, e a Janja tem um sorriso na alma. Ela sabe escutar. Ela tem uma posição, tem uma ideia, mas sempre escuta, procura refletir e isso é admirável. É um privilégio tê-la por perto e tudo foi uma sinergia só", elogia Zavareze.

Os dois só não falaram sobre a preocupação com a segurança no local, cujo esquema é mantido em segredo pelas Força Nacional, justamente para a proteção dos envolvidos. "Estamos todos em uma vibração de esperança, de paz e de que vai dar tudo certo na posse de Lula, vai ser lindo", desconversa Warley.