Artigo científico assinado por Mandetta aponta que casos de Covid-19 irão até setembro no Brasil

Foto: Andressa Anholete/Getty Images

Em um relatório técnico publicado nesta terça-feira (07) na “Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical”, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e outros cientistas do país defenderam o isolamento social como forma de combater o aumento de casos do novo coronavírus. No artigo, eles destacam também que essas medidas podem reduzir o impacto econômico sobre o país se adotadas “no início”.

De acordo com o relatório, mesmo com a realização do isolamento social, estudos apontam que a Covid-19 poderá ter potencial de circulação na população brasileira até setembro deste ano.

Leia também

“Vários modelos matemáticos mostraram que o vírus estará potencialmente circulando até meados de setembro, com um pico importante de casos em abril e maio”, escrevem os autores.

O trabalho é assinado ainda pelo secretário de Vigilância em Saúde do ministério, Wanderson Oliveira, e cientistas da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS), da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), da Fiocruz, da Fundação de Medicina Tropical Doutor Heitor Vieira Dourado e do Ministério da Saúde.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Diante da previsão de que Brasil enfrentará casos da pandemia durante os próximos meses, Mandetta e os pesquisadores ressaltaram a preocupação com a estrutura do sistema de saúde.

“Assim, existem preocupações quanto à disponibilidade de unidades de terapia intensiva (UTI) e ventiladores mecânicos necessários para pacientes hospitalizados com Covid-19, bem como a disponibilidade de testes diagnósticos específicos.”

Desde o início da implementação do isolamento social no Brasil, empresários tem criticado a medida destacando o impacto negativo que ela teria na economia. Segundo o estudo assinado pelo ministro, as queixas são infundadas.

"O isolamento social é uma medida que deve ser sugerida no início para achatar a curva epidemiológica com o mínimo possível impacto econômico", escrevem os autores.

Ao descrever a experiência brasileira, Mandetta e os cientistas registram que as autoridades brasileiras estão recomendando o isolamento social, mas não implementaram "um bloqueio através do uso de forças de segurança para impedir o movimento de pessoas em massa".

Eles defendem ainda que o impacto econômico pode ser "mitigado" durante o controle da pandemia com um distanciamento social "eficaz", que limita o acesso do público a serviços essenciais.

Grande crítico do isolamento social, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) atingiu o pico da tensão com ministro Mandetta nesta segunda-feira (06). Apesar dos fortes rumores de demissão, o ministro segue a frente da pasta até o momento.

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.

***Com informações do O Globo