Luisa Sonza diz que terapia e remédios não faziam mais efeito: "Medo de morrer"

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Luisa Sonza desabafou sobre depressão e ódio nas redes (Foto: Reprodução/GNT)
Luisa Sonza desabafou sobre depressão e ódio nas redes (Foto: Reprodução/GNT)

Luisa Sonza precisou se afastar das redes sociais para tratar a depressão após o fim do relacionamento com Whindersson Nunes e toda a polêmica que envolveu seu namoro com Vitão. A cantora, porém, nunca havia dado detalhes sobre o que sentiu na ocasião. Nesta quarta-feira (11), ela participou do "Saia Justa", no GNT, e desabafou pela primeira vez sobre a doença e o ódio na internet.

"Eu não sabia mais o que fazer, minha mente não aguentava mais, a terapia não estava mais fazendo efeito, os remédios não faziam mais efeito. Estava com medo de morrer mesmo", admitiu a artista.

Durante a entrevista, Sonza contou que programou sua primeira viagem após o isolamento social, quando as emissoras voltaram a gravar os programas de TV com convidados de forma presencial. Na época, no entanto, ela teve uma crise de pânico e precisou sair da aeronave antes de decolar. O gatilho foi a presença de um homem, que já estava olhando para ela há um tempo. De acordo com a cantora, ele colocou uma mala perto da sua poltrona e foi sentar distante. Luisa não sabe se foi coisa da sua cabeça, mas achou que o rapaz a mataria durante a viagem.

"Na época, as pessoas me olhavam feio, eu era atacada na rua. As pessoas passavam no mar, nadando e me xingando. Foi aí que comecei a andar com segurança. A gente não anda com eles por causa de fã tirando foto, é por segurança mesmo. Eu fui ameaçada de morte", explicou.

Para a cantora, que ficou longe da família durante a pandemia, os funcionários foram essenciais. Foi a equipe de Luisa que a acolheu nos momentos mais difíceis e deu todo o suporte para ela superar as crises mais intensas. Até hoje, inclusive, Sonza lida com o pânico: "Tenho pânico de celular, ele não pode vibrar. Quando vibra eu acho que é algum problema, alguma crise", revelou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos