Luísa Sonza admite culpa após acusação de racismo: "Me coloquei no lugar dela"

Luísa Sonza (Foto: divulgação/Dailus)
Luísa Sonza (Foto: divulgação/Dailus)

Quebrou o silêncio! Na noite desta segunda-feira (19), Luísa Sonza usou as redes sociais para falar sobre o processo que encara após tratar uma advogada negra como garçonete (pedindo um copo d'água e, depois, questionando se ela não trabalhava no local) durante um evento em Fernando de Noronha. O caso aconteceu em 2018 e se tornou público em 2020, mas voltou à tona recentemente, devido a uma audiência que vazou e aconteceria entre as partes envolvidas.

“Gente, estou acompanhando tudo e meu silêncio esses dias não é porque não queria falar no assunto, mas porque precisava desse tempo para refletir, conversar com as pessoas e entender melhor algumas questões que achei que dominava, mas me dei conta que não”, começou a cantora.

"Aprendi a ver, mais a fundo, a história por outra perspectiva e perceber a dor no outro. Me coloquei no lugar dela. E entendi que precisa ser sempre assim. Me dei conta de que todos, até pessoas como eu, que se reconhecem como aliados em questões sociais, precisam sempre estudar mais e buscar por mais conhecimento e mais empatia. Estou lidando com essa situação como uma oportunidade de ser melhor, como sempre tentei fazer com as coisas que acontecem comigo, publicamente ou não”, completou ela em outro trecho do texto.

Luísa destaca, no entanto, que não está respondendo a um processo criminal (racismo), e sim de danos morais. “A minha decisão é solicitar uma audiência especial para resolver amigavelmente o processo, acatando o valor pedido pela autora", pontuou. Leia abaixo o pronunciamento da íntegra: