Luísa Mell diz que atropelou homem ao resgatar cachorro

·2 minuto de leitura
Luisa Mell contou uma história bizarra (Foto: Reprodução/GNT)
Luisa Mell contou uma história bizarra (Foto: Reprodução/GNT)

Luisa Mell atropelou um homem enquanto resgatava um cachorro. A ativista contou o episódio durante sua participação no "Que História é Essa, Porchat?" desta quarta-feira (04). Segundo ela, a vontade de salvar animais feridos é tão grande que não dá para medir consequências. 

"Essa vez eu estava com meu bebê, Enzo, que não tinha nem um ano, eu estava com o celular e chegou a desgraça. Era um cachorro ensanguentado, uma coisa pavorosa, que não dava para esperar o dia seguinte. Já era umas nove da noite. Só que eu nunca vou para a roubada sozinha", iniciou ela.

Leia também:

Acompanhada do amigo Rafael Leal, Luisa resolver ir naquele horário mesmo, mas o que era para ser uma história linda terminou dando lugar ao desespero. "Foi ficando muito escuro, e aí, de repente, bum! Do nada, não vi da onde veio, uma moto bateu no carro. Eu sei que era um local muito deserto e de repente começou a aparecer muitos homens. E eu desesperada, porque o moço da moto caiu, e eu: 'Não, peraí, vamos chamar a polícia'. Aí alguém falou: 'Aqui a polícia não entra!'. Eu demorei para me ligar que a polícia nem vem. Eu estava achando que era tipo: 'Ah, coitados, a polícia nem chega aqui'", completou.

O amigo de Luisa percebeu que no local tinham muitos bandidos e eles não deixariam a polícia entrar ali. A solução para salvar o rapaz atropelado foi colocá-lo dentro do carro. Para completar o drama, ele avisou que estava sem documento e não poderia ir para o hospital assim. A fim de resolver a situação, Luisa foi até a casa da vítima, que ficava em uma quebrada ainda mais escura e estranha. Chegando lá, os bandidos pararam a ativista e a impediram de entrar na área. 

"Então ele disse: 'Moça, eu não vou para o hospital'. E eu: 'Como assim? Me dá seu telefone'. Depois fui até o outro lado (do bairro) pegar o cachorro, e eu falei: 'Você não sabe, tenho que levar os remédios para o moço', e a mulher: 'É tudo bandido, você está preocupada?'. Eu falei: 'Estou preocupada com o cachorro e com o moço, não importa se é bandido, se ele tá com dor, para mim importa'", contou.

Mesmo com medo, Luisa Mell garante que ligou para o homem no dia seguinte e ofereceu uma consulta médica particular. "Ai ele disse: 'Moça, deixa eu te falar. A senhora realmente é muito legal, eu estou vendo que a senhora tem boa intenção, mas eu sou bandido. Não posso ir para o hospital porque eu sou procurado'. Aí eu perguntei: 'Quantos anos você tem?". Ele respondeu: '19'. E eu disse: 'Você não é bandido, você está bandido. Eu podia ser sua mãe!", argumentou ela, que terminou pagando um médico da confiança dele, acostumado a atender bandidos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos