Barroso ironiza queixa de Bolsonaro sobre urnas eletrônicas: "Tem gente que acha que Trump venceu nos EUA"

·2 minuto de leitura
Foto: APU GOMES/AFP via Getty Images
Foto: APU GOMES/AFP via Getty Images

Luis Roberto Barroso, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), mandou um recado ao setor mais radical do bolsonarismo depois do final das eleições municipais deste domingo (29). O ministro ironizou a constante alegação de que Donald Trump teria ganhado o pleito norte-americano, contudo, teria sido alvo de fraudes.

“Eu não tenho controle sobre o imaginário das pessoas. Tem gente que acha que a terra é plana, que o homem não foi à Lua, que acha que Trump que venceu as eleições nos EUA. Não há, como disse objetivamente, forma de você fraudar sem que seja detectado. Portanto, acho que não há perda de credibilidade", avaliou Barroso ao comentar as críticas ao processo eleitoral deste final de semana.

Leia também

Logo após votar no Rio de Janeiro, o Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a contestar o uso da urna eletrônica nas eleições brasileiras. Sem apresentar provas da vulnerabilidade do sistema, o presidente voltou a defender o voto impresso. Seu filhos, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos) também defenderam a mudança.

Sem citar diretamente o presidente, Barroso defendeu a utilização da urna eletrônica e enalteceu a realização das eleições mesmo durante à pandemia do novo coronavírus.

"Quem não quer entender, não tem remédio na farmacologia jurídica para resolver", disparou o magistrado.

Se o primeiro turno do pleito ficou marcado por uma relativa demora na apuração das urnas, o mesmo não aconteceu no segundo. Às 20h, portanto três horas depois do fechamento das urnas, o país contabilizava 99,81% das seções com votos apurados.

"Tem país esperando há 14 dias a divulgação final do resultado [das eleições]", afirmou o presidente do TSE, em clara referência ao pleito norte-americano.

Cerca de 26,6 milhões de eleitores compareceram às urnas, um total de 70,53%. A abstenção chegou a 11,1 milhões, representando 29,4% do eleitorado.