Luís Miranda: "Se antirracismo for um slogan usado por quem só quer aparecer, o problema continuará existindo"

Amanda Serra
·2 minuto de leitura

O ator e humorista Luís Miranda acompanhou as manifestações antirracistas que aconteceram nos Estados Unidos, cujo estopim foi o assassinato do segurança afroamericano George Floyd, morto asfixiado por um policial branco em 25 de maio, em Minneapolis. E apesar deste acontecimento ter impactado diretamente nas manifestações que aconteceram no Brasil na mesma época, o ator conta ao Yahoo Entrevista que a luta antirracista precisa ser algo de todos os dias.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter

“A gente só vai entender essa questão do racismo quando a gente compreender que isso não é uma moda, é uma necessidade urgente. Isso precisa nascer dentro da comunidade negra, entendendo o quanto sofre com esse massacre e se posicionando exigindo leis”, opina.

veja também

“Lá nos EUA, os manifestantes foram para as ruas, promoveram ‘quebra-quebra’, enlouqueceram o país no meio de um pandemia e disseram ‘chega!’. O Brasil precisa rever isso urgentemente”, diz o humorista.

Para isso, ele acredita que é preciso parar de tratar as bandeiras raciais como pauta a serem levantadas somente nas redes socais. “Eu não consigo entender o indivíduo que abre as redes sociais para falar sobre racismo, que se diz tocado com o assunto, mas isso não lhe dói tanto quanto ver um jovem assassinado dentro da favela, e passa batido”, desabafa. Confira essas e outras declarações do ator sobre o assunto no vídeo acima.