Ludmilla diz querer valorizar funk ao reunir Rennan da Penha com Cardi B

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 31.10.2019: Cantora Ludmilla durante primeira edição do Baile da Bruxa, no Four Seasons Hotel, em São Paulo. (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Ludmilla, 24, convidou o DJ Rennan da Penha, 25, para produzir o single que ela gravou com a rapper Cardi B. Segundo a cantora, o objetivo dela valorizar o funk em todo o mundo.   

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Siga a gente!

"Eu estou muito ansiosa para esse lançamento (...) Convidei ele [DJ Rennan], porque quero levar outros artistas do funk para exterior, quero ajudar nossa música a alcançar voos cada vez maiores. Além disso, reforçar a força e importância cultural do funk para o mundo", afirmou Ludmilla à reportagem.

Leia também

A gravação da nova música foi feita em outubro, em Nova York. Ainda não foi divulgada a data de lançamento do single. 

"Fiquei muito feliz em gravar com a Cardi B. Ela é uma artista que admiro demais, foi a realização de um sonho. Fizemos um funk incrível. Aguardem", afirmou Ludmilla na ocasião. 

Um dos protagonistas da cena funkeira atual, o DJ Rennan da Penha foi liberado do presídio Bangu 9, no Rio de Janeiro, no dia 23 de novembro, depois de passar sete meses detido após ser condenado a seis anos e oito meses de prisão por associação para o tráfico de drogas.

No início de dezembro, ele assinou com a gravadora Sony Music e gravará um DVD em janeiro de 2020. 

"Ver minha música entrando em diferentes horizontes, tocando em outros países, eu nunca achei que isso ia acontecer na minha vida. Sempre achei que eu ia ser só o Rennan do complexo da Penha e que minhas músicas fossem ficar apenas nas comunidades do Rio de Janeiro", afirmou o DJ, durante a assinatura do contrato.

Rennan da Penha havia sido inocentado a princípio, mas a decisão foi revertida na segunda instância, e ele foi preso em abril.

Em novembro, recebeu um alvará de soltura da Vara de Execuções Penais do Rio, beneficiado pela mesma decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que beneficiou o ex-presidente Lula --a de que um condenado só pode ser encarcerado quando se esgotam todos os recursos (o chamado trânsito em julgado).