Lucas Rangel defende profissão de influenciador digital: "Não é tão raso quanto as pessoas pensam"

O influenciador digital Lucas Rangel não se exime de defender sua profissão: "Tem um grande significado, não é tão raso quanto às vezes as pessoas pensam", resume.

Ele começou ainda no Vine, plataforma de partilha de vídeos com até 6 segundos, e transitou pelo Youtube, Instagram e, agora, TikTok. São mais de 50 milhões de seguidores no total. "Seja levando entretenimento, ou seja ensinando alguma coisa, a gente não deixa de ter uma influência e não deixa de ser um modelo para muitas pessoas", afirma.

Recentemente, o roteiro de postagens da também influencer Bianca Andrade (Boca Rosa) causou burburinho após vazamento. A lista mostrava conteúdos que Bianca deve ir publicando ao longo do dia, como "repostar story de frase". Sobre isso, que é uma prática comum de pessoas que trabalham com rede social, Rangel apontou: "Planilha de stories não tenho, mas tenho uma equipe por trás. Eu tenho ideias de conteúdo, de projeto. A gente bota data nessas coisas. Eu acho que as pessoa têm que parar de assustar quando descobrem que tal coisa foi planejada ou que isso foi feito com um grande roteiro por trás... Gente, é uma profissão!".

Lucas também considera que hoje as condições estão mais frutíferas para quem quer trabalhar como influenciador. Pelo menos bem mais do que na época que ele começou, há dez anos. "Cada dia mais as pessoas querem entrar no mercado de influencer. É necessário entender um pouco de cada plataforma, como funciona o conteúdo para cada uma, o que que é de tendência, o que está acontecendo, o algoritmo", pondera. Ele termina com uma dica: "estar sempre atento a qualquer transformação e não ficar para trás".

Assista à entrevista completa: