Luísa Sonza diz que pagará indenização em caso de racismo

***FOTO DE ARQUIVO*** RIO DE JANEIRO, RJ, 04.09.2022 - Show da cantora Luísa Sonza no palco Sunset, durante o terceiro dia do primeiro final de semana do festival Rock in Rio 2022, no Parque Olímpico, na zona oeste do Rio de Janeiro. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** RIO DE JANEIRO, RJ, 04.09.2022 - Show da cantora Luísa Sonza no palco Sunset, durante o terceiro dia do primeiro final de semana do festival Rock in Rio 2022, no Parque Olímpico, na zona oeste do Rio de Janeiro. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A cantora Luísa Sonza, 24, processada por uma advogada negra que foi confundida por ela como empregada doméstica, comentou pela primeira vez sobre o caso em suas redes sociais e afirmou que tomou a decisão de solicitar uma audiência especial para resolver amigavelmente o processo, "acatando o valor pedido pela autora".

Em seu relato, Luísa disse que resolveu ficar em silêncio desde 2020, quando o caso veio à público, para poder refletir e conversar com pessoas para entender melhor o que acontecia. De acordo com ela, esse tempo fez com que estudasse a causa racial e percebesse os privilégios dela enquanto pessoa branca.

"Aprendi a ver, mais a fundo, a história por outra perspectiva e perceber a dor do outro. Me coloquei no lugar. E entendi que precisa ser sempre assim. Me dei conta de que todos, até mesmo pessoas como eu, que se reconhecem como aliadas às questões sociais, precisam sempre estudar mais e buscar por mais conhecimento", disse.

"Estou lidando com essa situação como uma oportunidade para tentar ser melhor, como sempre tentei fazer todas as vezes que alguma coisa aconteceu comigo. Eu não tenho medo de colocar os meus privilégios, que reconheço que tenho, à disposição para chamar atenção para essas questões sociais e tentar diminuir qualquer tipo de discriminação", emendou.

Ao final do desabafo, Luísa afirmou que responde por um processo de danos morais e não por um processo criminal.

ENTENDA O CASO

Sonza foi denunciada em 2020 por Isabel Macedo de Jesus, uma advogada negra que diz ter sido confundida com uma funcionária da pousada onde as duas estavam, durante um evento, em Fernando de Noronha, dois anos antes.

A cantora, segundo Isabel, teria pedido para que ela fosse buscar buscar um copo d'água, além de dar tapinhas em seu braço para que não demorasse.

À época, o advogado de Sonza, José Estavam Macedo Lima, afirmou que as acusações eram "falsas, inverídicas" e viriam em "um momento oportunista em razão do crescimento exponencial da carreira da artista."

Em depoimento à repórter Thais Bernardes, do site Notícia Preta, Isabel relembrou os detalhes do que teria ocorrido. "Ao voltar do banheiro, fiquei próxima do palco para ouvir a música. Era meu aniversário, e eu tinha viajado sozinha. Estava dançando, me divertindo e aproveitando a festa. Por um acaso, parei atrás da Luísa. No evento tinham vários famosos, mas nem sabia quem era ela. Nunca tinha ouvido falar. Foi então que ela virou, bateu no meu ombro e disse: 'Pega um copo d'água pra mim?'. Eu respondi que não tinha entendido, ela repetiu a frase e completou: 'Você não trabalha aqui?'".

Isabel diz ter questionado então o motivo de a cantora supor que ela trabalhasse servindo os convidados. "Não é isso que você está pensando", teria dito Luísa. "Na hora eu disse que ela nunca sentiria o que eu estava sentindo, pois nunca seria confundida com as pessoas que servem nas festas que ela frequenta", lembra a advogada.