Longe da TV, Maria Clara Spinelli reclama: 'Não existe mercado para trans'

Maria Clara foi primeira mulher transgênero a fazer um papel cisgênero (Reprodução/ Instagram/ @mariaclaraspinelli)

Fora do ar desde o fim de “A Força do Querer”, quando viveu a secretária Mira, cúmplice de Irene (Débora Falabella), Maria Clara Spinelli fez um desabafo em seu Instagram sobre falta de oportunidades para mulheres transgênero na TV. A atriz, que fez história por ser a primeira mulher transgênero a fazer um papel cisgênero, reclamou por não ser nem mesmo chamada para testes.

Eu estou sem trabalhar desde o final da novela A Força do Querer. E, embora eu tenha um ‘nome’ no meio artístico, e seja respeitada e premiada, também ninguém me dá emprego. Conversando hoje com meu empresário, compartilhando com ele meu desânimo, ele me disse que me oferece, sim, para todas as produções em que existam personagens com meu perfil… Mas, os produtores de elenco nunca respondem nada, nunca justificam porque não sou sequer selecionada para testes”, escreveu ela.

Leia mais:
Marina Ruy Barbosa corta os cabelos para nova novela da Globo
Luísa Sonza revela que é a favor de nudes: ‘Mando quando estou na vibe’

Maria Clara também destacou que mesmo sendo elogiada e premiada por seu trabalho, apenas Gloria Perez e a TV Globo a ofereceram uma personagem que não fosse transgênero. “Bem, se para o mercado eu só tenho capacidade para fazer personagens transgêneros, então talvez não exista uma carreira para mim, porque nenhuma atriz pode sobreviver apenas fazendo esses personagens, pois nem existem tantos assim. E, mesmo que houvesse, eu não sou um estereótipo, e não aceitaria isso. Tudo que depende de mim e das pessoas que trabalham comigo está sendo feito, mas não cabe somente a nós. Talvez, enfim, eu deva admitir que não exista um mercado de trabalho para uma atriz como eu. ‘Atriz trans’, muitos dizem. E se não dizem, pensam. Mesmo que não admitam, isso se reflete em tanto tempo de recusa quando sou oferecida para testes nas produções mais diversas, há quase um ano. Tenho muito orgulho de toda a minha carreira, muito orgulho de cada personagem que conquistei, transgênero ou não, porque sempre foram grandes personagens que interpretei com amor. E embora eu ache cedo demais, se minha carreira como atriz se encerrasse aqui, tudo já teria valido muito a pena!“, finalizou ela.