Lojas Renner usam inteligência artificial para otimizar vendas

Marcus Couto
·2 minuto de leitura
Renner, agora usando tecnologia de inteligência artificial (Foto: Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket via Getty Images)
Renner, agora usando tecnologia de inteligência artificial (Foto: Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket via Getty Images)

A rede de lojas de roupas Renner tem utilizado, desde o ano passado, um novo sistema de inteligência artificial que tem permitido a otimização de suas vendas, por meio de um gerenciamento mais inteligente de seus estoques, e a distribuição deles pelas diferentes lojas da cadeia. As informações são de reportagem da revista Época Negócios.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Segundo a loja, nas unidades em que o sistema de inteligência artificial foi implementado, houve aumento de 12% nas vendas, e redução de 18% no estoque – ou seja, menos mercadoria parada.

Leia também

"A inteligência artificial permite uma distribuição mais clara e precisa de produtos e cria sustentabilidade na cadeia produtiva," disse à Época o diretor de produtos da Renner, Henry Costa. “O sistema revela por que o cliente quer comprar aquele produto. Quanto mais acertamos nas previsões, melhores são nossas escolhas.”

Segundo Costa, o sistema de inteligência artificial utilizado pela Renner faz uso de dados como histórico de vendas, conjuntura econômica da região e até o clima do lugar onde as lojas estão localizadas, para “otimizar” a distribuição de produtos.

Outra vantagem da IA é que ela permite uma organização mais inteligente dos produtos em suas diferentes variações, como cores e tamanhos, diminuindo as chances de um cliente não encontrar o modelo desejado, no tamanho e cores corretas.

Segundo a Renner, a estimativa é de que até o final de 2020, 17% de todas as mercadorias da rede já sejam organizadas a partir desse novo sistema de inteligência artificial.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube