Livro do principal assessor de Bento 16 revela tensões no Vaticano

Arcebispo Georg Ganswein homenageia papa Bento 16 durante funeral do ex-pontífice na Basílica de São Pedro

Por Philip Pullella

CIDADE DO VATICANO (Reuters) - Embora o papa Francisco frequentemente comparasse o fato de o ex-papa Bento 16 viver no Vaticano a ter um avô em casa, um livro do assessor mais próximo de Bento mostra o que ele diz serem tensões enquanto dois homens vestidos de branco viviam no mesmo local na pequena Cidade-Estado.

Bento 16 foi enterrado na quinta-feira e horas depois do funeral na Praça de São Pedro, uma editora italiana começou a enviar aos jornalistas cópias antecipadas do livro de 330 páginas "Nada Além da Verdade - Minha Vida ao Lado de Bento 16", do arcebispo Georg Ganswein.

Ganswein, 66, foi secretário pessoal de Bento 16 desde 2003, quando Bento ainda era o cardeal Joseph Ratzinger, e permaneceu ao seu lado por quase 20 anos, até sua morte no sábado. Ele foi o porteiro de Francisco até ser substituído em 2020.

No livro, que deve chegar às livrarias em 12 de janeiro, Ganswein dá uma visão privilegiada da eleição de Bento 16 em 2005, sua decisão de 2013 de se tornar o primeiro papa em 600 anos a renunciar, seus anos pós-papado, sua doença e sua horas finais.

Embora Bento 16 tenha evitado aparições públicas após sua renúncia, ele continuou sendo um porta-estandarte dos conservadores católicos, que se sentiam alienados pelas reformas introduzidas por Francisco, incluindo a repressão à antiga missa em latim.

Ganswein diz que Bento 16 ficou "surpreso" por Francisco nunca ter respondido a uma carta pública de quatro cardeais conservadores em 2016, incluindo o cardeal americano Raymond Leo Burke, que acusou Francisco de semear confusão em questões morais.

O livro também diz que Bento não concordou com algumas das posições de Francisco.

Depois que Francisco deu uma longa entrevista a um jornal jesuíta seis meses após a eleição de Bento em 2005, Francisco enviou o jornal a Bento para seus comentários.

Ganswein diz que Bento 16, em sua resposta anotada a Francisco, criticou a maneira como Francisco respondeu a perguntas sobre aborto e homossexualidade.

(Reportagem de Philip Pullella)