Livro conta história de parlamentares britânicos gays que previram ameaça de Hitler

Por Hugo Greenhalgh
·1 minuto de leitura
Bandeiras LGBT hasteadas em Nova York
Bandeiras LGBT hasteadas em Nova York

Por Hugo Greenhalgh

LONDRES (Reuters) - Um grupo de parlamentares britânicos gays e bissexuais esteve entre os primeiros a darem o alarme a respeito da ameaça fascista de Adolf Hitler, mas inicialmente seus avisos foram ignorados por eles serem considerados extravagantes e beligerantes, de acordo com um novo livro.

Em uma época na qual o sexo homossexual ainda era ilegal no Reino Unido, a decisão do grupo de romper com a postura de apaziguamento do então primeiro-ministro Neville Chamberlain com Hitler nos anos 1930 foi ainda mais corajosa, disse o autor do livro, Chris Bryant.

"Sua sexualidade... é parte de sua coragem neste período", opinou Bryant, parlamentar do opositor Partido Trabalhista.

"Os arregimentadores de votos do governo sabiam como destruir uma pessoa se quisessem, então remar contra a maré era uma coisa muito difícil de se fazer", disse ele à Thomson Reuters Foundation em uma videochamada no sul do País de Gales, onde está seu eleitorado.

Em "The Glamour Boys: The Secret Story of the Rebels who Fought for Britain to Defeat Hitler", Bryant conta como sete ou oito integrantes gays e bissexuais de um grupo de rebeldes atraíram a ira do premiê.

Foi Chamberlain quem os apelidou de "glamour boys", uma cutucada na sexualidade de alguns deles, e ordenou que os serviços de segurança grampeassem seus telefones.

Mas o livro de Bryant, um episódio LGBT+ desconhecido da história da Segunda Guerra Mundial, leva a crer que o fato de alguns dos rebeldes serem gays e bissexuais lhes deu uma perspectiva única.