6 lições que aprendemos com Babu Santana e Manu Gavassi no 'BBB 20'

Manu Gavassi e Babu Santana (Foto: Instagram / Montagem)

O 'BBB 20' já se mostrou a melhor surpresa do ano. Entre polêmicas, festas e discussões, temos visto um programa que traz à tona uma série de conversas importantes e muito relevantes para o momento em que vivemos. E Babu Santana e Manu Gavassi protagonizaram muitas delas. 

Claro, não sabemos o que vai acontecer daqui para frente, mas a verdade é que o ator e a cantora mostraram posicionamentos muito importantes até o momento, levando para a TV aberta algumas das discussões mais importantes que já vimos. 

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Siga a gente!

1.O que é sororidade

Mais recentemente, Manu colocou na boca do povo - literalmente -, o termo "sororidade". Depois de explicar que votava em Prior por uma "questão de sororidade", as buscas pelo termo dispararam na internet - foi um aumento de mais de 200%. Vale lembrar que ele indica o ato de apoiar mulheres, de não julgá-las e, principalmente, de união entre elas.

2.O que faz o feminismo?

Alguns dos homens da casa já mostraram que tem muita dificuldade em ouvir as mulheres e permitir que elas falem o que pensam - Hadson já saiu do programa, mas era parte do trio principal que atua dessa forma, composto também por Prior e Lucas. Mas lá veio Babu, em uma conversa franca, explicando o que é o feminismo. "O feminismo não busca a supremacia da mulher. Sempre buscou a igualdade. O feminismo não é o contrário de machismo", disse ele. "Eu falava assim: não, feminista é tão pedante como machista. Não. Porque o machista está galgado no privilégio. E o feminismo está galgado na igualdade."

Leia também:

3.Na hora de ouvir, ouça

Na mesma conversa, que, inclusive, acontece com Prior e Lucas, Babu explicou que existem momentos de falar e momentos de ouvir. No caso, como as mulheres passaram tempo demais sem serem verdadeiramente ouvidas, era o momento de deixá-las falar. "A mulher que exerce a mesma função de um homem, até hoje, ganha menos. E ninguém consegue explicar. E quando tem uma explicação, é absurda. É só parar para ouvir. Um lugar em que a gente nunca esteve: o lugar da escuta."

4.Atenção aos privilégios

Outro ponto importantíssimo: a questão dos privilégios. Existe muita discórdia sobre o uso do termo por aí, mas a verdade é que os homens brancos sempre foram privilegiados em relação às demais pessoas. O homem branco esteve, historicamente, em uma posição de poder, seja em relação às mulheres, seja em relação aos homens de outras raças. E lembrar disso é essencial para se colocar em um lugar de empatia. Foi isso que Babu tentou, também, ensinar aos brothers: "Mesmo que você esteja contrariado por dentro, peça desculpas e vá refletir, porque é muito difícil sair da posição de privilégio. Estar num lugar que tem a melhor carne, a melhor comida, os melhores temperos nos traz para uma posição de conforto em que a gente deixa de enxergar muita coisa".

5.Ser fiel ao que acredita

Voltando para Manu, se tem uma coisa que ela tem feito bem durante o programa, é se manter fiel ao que acredita. De não mandar recados para brothers que já saíram da casa (um pedido durante o raio X, para Hadson), até se manter firme no seu posicionamentos de união com as outras mulheres, Manu tem sido um exemplo de consistência. 

6.Manter a calma, sempre

Aliás, a cantora também tem dado um show de calma durante o programa, conhecido por deixar todo mundo com os nervos à flor da pele. Mesmo na hora de impor a sua voz, Manu não perde as estribeiras, ouve e fala com calma. Aliás, mais recentemente ela precisou, inclusive, falar com Babu sobre manter a posição de votar nos meninos, quando o ator pareceu se mostrar favorável a se unir a eles. "Babu, eu sou bem grandinha e bem mulherzinha, não vou cair na opiniãozinha de ninguém".

Importante lembrar, aqui, que porque ele precisou tomar uma decisão estratégica no jogo não significa um desmerecimento do que disse. 

Menção honrosa também para Marcela, uma das grandes protagonistas do discurso feminista dentro da casa, que nos fez pensar muito sobre a objetificação feminina durante uma outra converdsa com Felipe Prior