The Last of Us estreia com 100% de aprovação no Rotten Tomatoes; veja o que a crítica está falando!

A primeira grande série da HBO está a poucos dias da audiência. The Last of Us, produção que adapta o game homônimo da Naughty Dog, chega à emissora e ao catálogo da HBO Max no próximo domingo, 15 de janeiro.

De forma costumeira, parte da crítica especializada já teve acesso a uma parcela da temporada, a fim de compartilhar opiniões, artigos e reviews sobre o projeto que ainda nem estreou, mas já tem dado o que falar.

A série debutou no Rotten Tomatoes com 100% de aprovação com 26 avaliações da crítica. Enquanto este texto está sendo produzido, a porcentagem está em 97%, com base em 38 textos. Apesar da queda, o número ainda é altíssimo. O número ainda pode variar ao longo dos próximos dias, mas é certo que a trama conduzida por Neil Druckman agradou a maior parte dos profissionais da mídia especializada. Já no Metacritic, a série está com a nota 83, com base em 20 críticas.

Abaixo confira o que alguns dos principais veículos de entretenimento acharam de The Last of Us:

AdoroCinema

De acordo com o crítico e redator Bruno Botelho, a série “é mais uma obra-prima da HBO e quebra de vez a ‘maldição’ das adaptações”. O jornalista continua: “Fiel e ao mesmo tempo expansiva ao jogo original, o principal acerto da série está na manutenção da essência desta história durante os nove episódios, formada pela relação entre seus protagonistas sobrevivendo neste mundo devastado. Definitivamente, as poderosas atuações de Pedro Pascal e Bella Ramsey vão emocionar o público em uma jornada imersiva onde progressivamente encontramos a humanidade em meio ao caos.”

Variety

A Variety, com o texto de Daniel D'Addario, enxerga "uma saga de zumbis promissora e comovente" com foco especial na relação entre Joel e Ellie. Ele afirma que "o que está por trás do caos é o vínculo nascente entre Joel, um homem sem raízes que prometeu para proteger Ellie - que pode ter dentro de seu corpo imunidade ao fungo, mas que parece estar infectada - em sua jornada para fora da zona de quarentena e para a segurança. Através das performances de Pascal e Ramsey e algumas composições fortes, essa dinâmica brilha com emoção e vida."

Ele conclui: "The Last of Us, em sua essência, argumenta que vale a pena lutar pelo mundo; mostrar-nos mais só fortalecerá esse caso."

The Hollywood Reporter

Em sintonia com outros veículos, o The Hollywood Reporter acredita que The Last of Us é a melhor adaptação de videogame já feita. O veículo exalta, acima de tudo, a performance da dupla de protagonistas.

"Pascal incorpora habilmente a exasperação e o afeto crescente que Joel sente, mas é Ramsey quem supera um sotaque americano consistentemente inconsistente e instantaneamente torna Ellie sábia, mas não muito sábia, destemida, mas não muito destemida, engraçada, mas... não irritantemente engraçado. Joel e os jogadores do jogo se comprometem a morrer por ela e os espectadores podem estar dispostos, no conforto de um sofá sem apostas, a fazer o mesmo."

BBC

A BBC não poupou elogios à série. De acordo com o portal, a produção da HBO é "uma conquista notável". O jornalista Stephen Kelly avalia: "Não parece nem remotamente controverso chamar isso de a melhor adaptação de videogame já feita. Para os fãs do jogo, é uma adaptação da maior habilidade e reverência, mas ainda capaz de surpreender; para pessoas que nunca pegaram um controle, é um encapsulamento do coração e da alma do jogo – seus personagens de sangue puro, sua trama organizada, seus temas maduros de amor e perda. É, para finalizar a piada de Ellie, 'excelente em sua área'."

Empire

Para a revista Empire, a série ganha ainda mais peso quando se distancia do projeto original. "Nenhum dos principais pontos da trama é drasticamente alterado, mas vários episódios saem gloriosamente fora da pista de antes", afirma o jornalista John Nugent.

"Com o benefício de um generoso orçamento da HBO, há uma incrível sensação de escala neste apocalipse, desde os toques sutis - um extra veste uma camiseta da campanha presidencial de Al Gore, um significante que o tempo parou no início dos anos 2000 - até o CGI impecável, grande cinematografia e design de produção luxuoso."

Ele conclui: "The Last of Us, o jogo, nunca ofereceu respostas fáceis; o programa de TV também não. É melhor assim."

IndieWire

Para a IndieWire, The Last of Us "é uma história de sobrevivência surpreendente - e um momento importante na TV". O jornalista Ben Travers avalia a produção como uma das melhores adaptações de games e ainda a compara com Resident Evil.

"O novo drama é melhor do que qualquer adaptação de videogame que vem à mente (desculpe “Resident Evil”), e é uma aventura zumbi de primeira linha, muitas vezes aterrorizante (desculpe novamente “Resident Evil”)”, escreveu o comunicador. “Também está sintonizado com o presente, delineando e explorando os medos relacionados à vida com o COVID-19 de maneiras inconfundíveis para quem esteve consciente nos últimos anos."

IGN EUA

Para Simon Cardy, do IGN, os novo episódios da primeira temporada podem ter seus momentos apressados, mas ganham brilho quando dão fôlego à narrativa com arcos mais focados nos personagens. "É um crédito para os criadores do programa que dois episódios marcantes colocam os relacionamentos queer tão firmemente em primeiro plano", afirma. "The Last of Us está mais interessado em mostrar as consequências da violência do que a própria violência."

Ele conclui: "The Last of Us, da HBO, é uma adaptação de tirar o fôlego de uma das histórias mais impactantes contadas em videogames e traz de forma brilhante a jornada de Joel e Ellie para um público totalmente novo. Tomando a essência do que tornou o conto original tão duradouro, ele constrói o mundo do jogo enquanto também muda alguns aspectos para um efeito quase totalmente impressionante."

Slant Magazine

A nota mais baixa da seleção é da Slant Magazine. No sistema da revista, a série estrelada por Pedro Pascal e Bella Ramsay ganhou apenas duas de quatro estrelas. De acordo com o portal, "à medida que The Last of Us avança em sua abordagem brutal da jornada do herói arquetípico, sua visão sombria e insistente da natureza humana parece cada vez mais uma fachada da moda".

O jornalista Pat Brown finaliza: "No final, ao retirar a jogabilidade de um jogo de gênero vívido que é desenvolvido por grupos cinematográficos e televisivos, a série acaba sendo apenas o último: toda a carne, sem ossos."

Qual é a história de The Last of Us?

The Last of Us é uma série distópica da HBO baseada na franquia de jogos de videogame de mesmo nome criada por Neil Druckmann. O drama narra um futuro pandêmico que foi devastador para humanidade, deixando os seres humanos à beira da extinção. O vírus transforma pessoas em canibais e se espalha rapidamente com uma simples mordida.

Algumas décadas depois, os poucos sobreviventes que restaram vivem viajando ou em quarentenas protegidas por oficiais do governo. Este é o cenário em que acompanhamos Joel (Pedro Pascal), um sobrevivente durão que é contratado para levar a jovem Ellie (Bella Ramsey) para fora da zona de quarentena opressiva onde vive. Os dois devem encontrar um grupo de rebeldes paramilitares que se rebelou contra as autoridades. Porém, eles descobrem no caminho que Ellie está possivelmente infectada com o vírus, apesar da jovem não apresentar os sintomas recorrentes da doença. Por conta disso, eles acreditam que a imunidade de Ellie pode ser a chave para encontrar a cura do vírus e potencialmente salvar a humanidade.

Leia o artigo em AdoroCinema

Menos sangue na tela: Criador de The Last of Us promete apenas violência "essencial" na série da HBO

The Last of Us: O papel de Ellie quase foi parar nas mãos de outra atriz de Game of Thrones

The Last of Us vai trazer personagem de spin-off do jogo; estrela de Euphoria assumirá papel importante na série da HBO

The Last Of Us: Tudo sobre os jogos que inspiraram a série na HBO Max