The Last of Us - Episódio 2: Infectados - Review

Atenção: esta crítica contém muitos spoilers do primeiro episódio de The Last of Us, que está disponível para no HBO Max. Para ficar livre de spoilers, confira nossa análise da primeira temporada da série sem spoilers.

O segundo episódio de The Last of Us nos apresenta mais uma abertura fria que mostra ainda mais o desejo de Neil Druckmann de expandir este mundo além do jogo original. Embora não seja essencial para a jornada de Joel e Ellie, ele oferece informações convincentes que funcionam como uma explicação de como o fungo funciona para os recém-chegados, bem como um novo contexto fascinante para os familiarizados. Somos apresentados a uma Jacarta de 2003 e testemunhamos o início da pandemia que em breve varrerá o mundo em uma sequência arrepiante onde vemos toda a esperança da professora Ratna desaparecer graças a uma performance fantástica. Uma cena cheia de pavor silencioso, que termina com uma decisão drástica -- o bombardeio de uma cidade inteira. É profundamente eficaz e um prenúncio sinistro dos dias atuais sem esperança da série, enquanto somos transportados de volta para uma Boston bombardeada.

Bella Ramsey continua excelente como Ellie, e proporciona alívio cômico em um mundo que oferece poucas chances de alívios. Ela é dependente, mas engenhosa e, crucialmente, disposta a aprender à medida que os verdadeiros horrores do mundo são revelados a ela. Nesses estágios iniciais, não há muitos sinais de construção de relacionamento com Joel, que ainda vê o transp...

The Last of Us - Episódio 2: Infectados - Review
Leia Mais

The Last of Us: Criadores explicam final do segundo episódio
Jeremy Renner revela quantos ossos quebrou em acidente
De Game of Thrones a The Last of Us: Quem é Pedro Pascal, ator que conquistou Hollywood como nosso 'daddy' latino