'La Vingança' usa rivalidade Brasil x Argentina para fazer graça de imaturidade masculina

Diego Olivares
(Imagem: divulgação Paris Filmes)

Pode parecer um cenário de pesadelo, ou então de uma boa piada: na hora em que vai pedir sua namorada Júlia (Leandra Leal) em casamento, Caco (Felipe Rocha) a encontra nos braços do amante. E para piorar, ele é argentino. É assim que começa a comédia ‘La Vingança‘, em cartaz nos cinemas.

Diante da rivalidade entre os dois países – muito mais folclórica do que real, é bom que se diga – se faz necessário um plano para recuperar a honra. Caco e seu melhor amigo, Vadão (Daniel Furlan), partem de uma hora para outra numa viagem até Buenos Aires, com a intenção de ficar com o maior número de garotas argentinas pelo caminho.

A ideia, que pode soar tentadora para muita gente, prova-se patética na prática. Sem o menor traquejo na aproximação com as mulheres, a dupla só se mete em roubadas, boa parte delas devido ao comportamento imaturo e a ilusão de que qualquer mulher teria que agradecer pela chance de estar com eles.

É esta sátira que está na raiz do filme, e por isso ele funciona bem. Claro, há muitas piadas entre Brasil x Argentina, como a velhão questão sobre quem é o melhor jogador de todos os tempos, referências às Copas de 90 e de 2014, entre outras. Mas estas aparecem mais como pano de fundo, já que os diretores e roteiristas Fernando Fraiha e Jiddu Pinheiro sabiam que precisavam construir, acima de tudo, personagens sólidos para que a história funcionasse.

E a química entre os protagonistas é de fato ótima. As personalidades opostas de Caco e Vadão se complementam, o que é uma formato clássico mas nem sempre bem executado. O talento de Felipe Rocha e Daniel Furlan faz com que os diálogos fluam com naturalidade e o público reconheça pessoas reais naquelas figuras, que poderiam estar ao nosso lado num bar.

‘La Vingança’ também se preocupa em trazer uma estética que vá além do lugar-comum televisivo. Aproveitando a estrada como cenário principal, os enquadramentos e a trilha se inspiram na linguagem do faroeste para trazer ao visual uma sensação de crueza e originalidade.

Tive a chance de entrevistar diretores e atores, que falaram mais sobre as questões levantadas pelo filme. Assista ao vídeo abaixo: