Kassio Marques admite que não é pós-graduado em universidade espanhola e atribui erro a tradução

·1 minuto de leitura
Kassio Nunes Marques fez um curso de 4 dias em universidade espanhola, mas no currículo consta "pós-graduação" (Foto: Ramon Pereira/TRF-1/Ascom)
Kassio Nunes Marques fez um curso de 4 dias em universidade espanhola, mas no currículo consta "pós-graduação" (Foto: Ramon Pereira/TRF-1/Ascom)

Kassio Nunes Marques, indicado de Jair Bolsonaro (sem partido) ao Supremo Tribunal Federal, admitiu ao senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) que não cursou pós-graduação na Universidad de La Coruña, na Espanha. A informação sobre a inconsistência no currículo foi revelada pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Nas informações divulgadas pelo desembargador, consta que ele é pós-graduado na universidade espanhola, no entanto, segundo apurou o jornal, ele fez um curso de 4 dias na instituição em 2014.

Randolfe Rodrigues se encontrou com Kassio Marques e explicou que, para o desembargador, houve um problema de desinformação. "No entender dele é uma compreensão que não é correta, de ser pós-graduação. O que ele disse e está realmente no currículo dele é que ele fez um 'postgrado', em espanhol. É um curso que não é pós-graduação, na argumentação dele", disse o senador.

Leia também

No entanto, em espanhol, o termo “postgrado” equivale a “pós-graduação”, igual no Brasil. Além disso, na resposta ao jornal, a Universidad de La Coruña usou “postgrado” para dizer que Kassio Nunes Marques não foi aluno de cursos de pós-graduação.

Outra inconsistência no currículo do desembargador são dois pós-doutorados, geralmente cursos feitos após o doutorado. Mas, a tese de doutorado foi defendida por Kassio Nunes Marques em 25 de setembro de 2020. Os títulos se tratariam de ciclos de palestras.