Kanye West promete passar 30 dias sem falar, sem beber e sem pornografia

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP - Show do rapper americano Kanye West durante o festival SWU, em SP. (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP - Show do rapper americano Kanye West durante o festival SWU, em SP. (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Depois de passar um tempo sem poder usar o Twitter por causa de discurso antissemita, o rapper Kanye West, 45, voltou à rede social e já fez uma promessa aos seguidores. Ele diz que pretende passar 30 dias sem falar nem beber.

"Estou fazendo uma limpeza de 30 dias. Um jejum verbal. Sem álcool. Nada de filmes adultos. Sem relações sexuais", postou o músico. "Mas meu Twitter ainda está funcionando", alertou.

O rapper pagou um acordo a um ex-funcionário que o testemunhou usando linguagem antissemita no local de trabalho. A NBC News conversou, em condição de anonimato, com o ex-funcionário que mostrou documentos e comprovantes de pagamento. West negou as alegações feitas pela testemunha.

A NBC News também falou anonimamente com outras seis pessoas que confirmaram -três delas trabalharam com o rapper e outras ouviram um discurso antissemita dele em reuniões de negócios. Elas disseram ter ouvido ele ter elogiado o Hitler e mencionado teorias de conspiração contra o povo judeu.

Após ter seu contrato com a Adidas rescindido, ele tentou fazer uma parceria com a concorrente Skechers, mas acabou sendo escoltado para fora da empresa.

O artista comentou suas perdas financeiras em mensagem direcionada ao executivo Ari Emanuel publicada no Instagram. Um dos maiores agentes de Hollywood, Emanuel recentemente sugeriu que empresas parassem de trabalhar com o rapper por causa dos comentários antissemitas que ele fez nas redes sociais.

"Perdi US$ 2 bilhões [mais de R$ 10 bilhões] em um dia e continuo vivo", afirmou. "Isso é discurso de amor, eu ainda amo você, Deus ainda ama você. O dinheiro não é quem eu sou, o povo é quem eu sou."