Kanye West desiste de corrida presidencial em 2020, mas mira em 2024

·2 minuto de leitura

LOS ANGELES (Reuters) - O rapper Kanye West votou em si mesmo na terça-feira para próximo presidente dos Estados Unidos, após uma longa campanha marcada por declarações erráticas e especulações de que ele poderia desviar alguns votos negros do democrata Joe Biden.

Na noite de terça-feira, o cantor e estilista pareceu admitir que sua corrida em 2020 havia terminado, mas sugeriu que sua jornada não havia acabado. Ele postou uma foto sua na frente de um mapa eleitoral dizendo "WELP KANYE 2024."

Anteriormente, o rapper tuitou que estava "votando pela primeira vez na minha vida para o Presidente dos Estados Unidos, e é para alguém em quem realmente confio...em mim".

Mais tarde, ele postou um vídeo de si mesmo votando em Cody, Wyoming, onde escreveu seu nome na cédula.

O nome de West chegou às cédulas presidenciais em alguns Estados, embora não em Estados-chave como Flórida, Pensilvânia e Michigan. Ele passou as últimas semanas instruindo seus seguidores a como votar nele como candidato inscrito em outra área.

A esposa de West, Kim Kardashian, não pareceu apoiar sua campanha. Ela não deu nenhum endosso público ao marido e, na terça-feira, retuitou uma mensagem sobre linhas diretas para eleitores da candidata à vice-presidência democrata Kamala Harris.

West, que já foi um dos maiores apoiadores do presidente republicano Donald Trump, que busca a reeleição, lançou sua campanha para a Casa Branca em julho com declarações erráticas que levantaram preocupações sobre sua saúde mental. O vencedor do Grammy por 21 vezes disse em 2018 que sofre de transtorno bipolar.

West fez um empréstimo de 6,7 milhões de dólares para sua campanha, de acordo com documentos da Comissão Eleitoral Federal, e em um vídeo recente enfatizou a religião e os valores familiares.

(Por Jill Serjeant e Lisa Richwine)