Kanye West é demitido por agência e tem documentário cancelado após declarações antissemitas

O rapper Kanye West, hoje oficialmente Ye, foi demitido por sua agência de talentos, a CCA, uma das maiores dos Estados Unidos, após uma série de declarações e atitudes polêmicas nas últimas semanas, em que apareceu com uma camiseta dizendo "vidas brancas importam", questionou a causa da morte de George Floyd — símbolo da violência policial nos EUA — e atacou a comunidade judaica, com falas que fizeram com que fosse banido do Twitter e do Instagram. A informação é da revista "Variety".

Artigo: Kanye West, o gênio que mirou em Duchamp e acertou no Monark

Kanye West: Rapper é processado por família de George Floyd em R$ 1,3 bilhão

Além de perder a agência, o músico também viu um documentário já finalizado sobre ele ser cancelado. Modi Wiczyk, Asif Satchu e Scott Tenley, executivos do estúdio MRC, divulgaram nota oficial nesta segunda informando da decisão de cancelar o filme:

"Esta manhã, após discussão com nossos cineastas e parceiros de distribuição, tomamos a decisão de não prosseguir com a distribuição de nosso documentário recém-concluído sobre Kanye West. Não podemos apoiar nenhum conteúdo que amplifique sua plataforma. Kanye é produtor e sampler de música. Na semana passada, ele sampleou e remixou uma 'música clássica' que está nas paradas há mais de 3.000 anos – a mentira de que os judeus são maus e conspiram para controlar o mundo para seu próprio ganho."

No último final de semana, Kanye recebeu o apoio de grupos antissemitas americanos, com cartazes espalhados em uma rodovia de Los Angeles. Sua ex-esposa, no entanto, a empresária Kim Kardashian, manifestou apoio à comunidade judaica nas redes sociais.