Justiça nega pedido de Belo e obriga cantor a pagar dívida de R$4,9 milhões

O cantor Belo. Foto: reprodução/Instagram/belo
O cantor Belo. Foto: reprodução/Instagram/belo

Uma juíza do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) não aceitou o pedido do cantor Belo para suspender uma decisão que o obriga a pagar R$4,9 milhões para o ex-jogador Denilson.

De acordo com informações do jornal "Extra", a dívida é da época na qual Denilson foi empresário da banda Soweto. Em 2000, Belo deixou o grupo para seguir carreira solo, mas, em 1999, Denilson havia comprado os direitos comerciais do grupo. Por isso, o ex-jogador entrou com um processo contra o artista por quebra de contrato.

Em 2004, Belo foi condenado a pagar R$388 mil a Denilson, valor que nunca foi quitado. Depois, ambos fizeram um acordo em que os valores arrecadados em apresentações de Belo seriam depositados numa conta do ex-jogador. Segundo Denilson, o dinheiro jamais foi recebido, nem o acordo concretizado. “É surreal um cara te dever um bagulho e viver como se não tivesse te devendo nada”, disse Denilson, em entrevista ao podcast "Ticaracaticast”, dos humoristas Bola e Carioca, em março deste ano.

Em abril de 2017, Belo contra-atacou, processando Denílson no TJ-SP e pedindo R$ 50 mil. Na oportunidade, o cantor requereu danos morais por conta de o ex-jogador ter aproveitado uma postagem do também cantor Thiaguinho, no Instagram, para cutucar Belo. Denílson escreveu "só falta aprender a pagar quem ele deve", em uma foto dos pagodeiros.

Nos autos, Belo disse que não deve dinheiro a Denílson, alegando que a mensagem do ex-jogador provocou danos em sua imagem. No dia 22 de agosto de 2017, a juíza Andrea de Abreu e Braga, da 10ª Vara Cível do TJSP, julgou improcedente a ação, condenando Belo a pagar 10% do valor da causa em custas e honorários advocatícios de Denílson, devido a sucumbência.

A partir do atraso do pagamento, a dívida se acumulou, chegando agora a quase R$ 5 milhões. De acordo com a relatora Silvia Rocha, não há "nada a considerar" no processo, e não existe a necessidade de "concessão de efeito suspensivo ao agravo". Belo tem cinco dias, contados a partir desta segunda-feira (22) para apresentar o valor que deve para Denilson.