Justiça baixa indenização que Sikêra deve pagar a Xuxa de R$ 300 mil para R$ 50 mil

*Arquivo* SÃO PAULO, SP, 22.08.2017 - Retrato da apresentadora Xuxa Meneghel. (Foto: Adriano Vizoni/Folhapress)
*Arquivo* SÃO PAULO, SP, 22.08.2017 - Retrato da apresentadora Xuxa Meneghel. (Foto: Adriano Vizoni/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O apresentador do Alerta Nacional (RedeTV!) Sikêra Jr., 56, já havia sido condenado em primeira instância pela Justiça a pagar R$ 300 mil a Xuxa Meneghel, 59. Porém, segundo o Tribunal de Justiça de São Paulo, a indenização caiu para R$ 50 mil.

A informação foi revelada pelo colunista do UOL Rogério Gentile e confirmada pela reportagem.

Sikêra fez ligação entre a apresentadora e um suposto caso de pedofilia. Em 2020, ele disse que Xuxa teria levado crianças "às travessuras" e que pedofilia "é crime e não prescreve".

Xuxa, por sua vez, alegou que foi humilhada em rede nacional e que Sikêra usa de seu programa para ofender a honra dela. Em primeira instância, venceu o processo. O caso segue na Justiça.

Em junho, Sikêra entrou em acordo com o Ministério Público do Amazonas para pagar R$ 2.000 a uma instituição de caridade no processo que envolve ofensas à apresentadora Xuxa. Trata-se da ação penal cujo acordo foi aceito para que ele se livrasse de uma possível condenação criminal.

Mas as brigas na Justiça não afetam só a rainha dos baixinhos, mas também o namorado dela, Junno Andrade, 59. Em setembro, o apresentador foi condenado em segunda instância no processo movido contra ele pelo cantor. Junno foi chamado de "jugolô" que "não faz nada na vida" e que "já tentou de tudo e não consegue fazer sucesso" durante uma das edições de 2020 do Alerta Nacional (RedeTV!). Procurado, Sikêra e seu advogado não responderam as solicitações.

Em primeira instância, Sikêra já havia sido condenado ao pagamento de R$ 10 mil a Junno. Agora, deve ser acrescido de juros e correção monetária. De acordo com documento do Tribunal de Justiça de São Paulo, o apelo do apresentador da RedeTV! foi negado e a sentença foi mantida. Ainda cabe recurso. A emissora também não deu retorno à reportagem sobre o assunto.