Jurada de R Kelly sofre ataque de pânico após avaliar evidências de conteúdo explícito

Jurada de R Kelly sofre ataque de pânico no tribunal credit:Bang Showbiz
Jurada de R Kelly sofre ataque de pânico no tribunal credit:Bang Showbiz

Uma jurada da audiência sobre pornografia infantil e obstrução da justiça de R Kelly sofreu um ataque de pânico após passar cerca de quatro horas avaliando evidências de conteúdo explícito sobre o caso, pois não suportava ouvir “nem mais um minuto”.

A mulher, que trabalha em uma biblioteca pública, foi dispensada pelo juiz do Tribunal Dirksen US, de Chicago, por volta das 15h30, horário local.

O magistrado Harry Leinenweber explicou a decisão: “Fui informado de que ela não tinha condições para continuar nem mais um minuto”, antes de substituir a jurada número 44 pelo jurado 83, um homem.

A troca ocorreu depois que a promotora Elizabeth Pozolo e um advogado de defesa apresentaram seus argumentos finais, e o julgamento continuou após a substituição.

Kelly – cujo nome de batismo é Robert Sylvester Kelly – enfrenta 13 acusações de produzir pornografia infantil, atrair menores para atividades sexuais criminosas e obstrução de justiça.

O cantor, 55, já está cumprindo uma sentença de 30 anos de prisão depois que foi considerado culpado, em Nova York, por acusações de extorsão e tráfico humano para fins sexuais.

A promotora disse ao júri na segunda-feira que o músico havia cometido “crimes horríveis” contra crianças e, com a ajuda de seus comparsas, tentou encobrir suas ações, pois sabia que elas seriam “completamente comprometedoras”.

Kelly está sendo julgado ao lado de seu ex-gerente de negócios, Derrel McDavid, e um sócio, Milton 'June' Brown, ambos acusados de conspirar com ele para intimidar e subornar testemunhas e destruir provas em um julgamento criminal sobre acusações de pornografia infantil em 2008.

A dupla foi acusada de tentar comprar vídeos incriminatórios de atos sexuais, que foram pegos no portfolio de Kelly, e de esconder anos de abuso sexual de jovens.

Entre os três, apenas McDavid testemunhou durante o julgamento.

Nos argumentos finais, o advogado de defesa de McDavid, Beau Brindley, questionou a credibilidade de duas testemunhas que disseram que ele conspirou com Kelly.

“As únicas duas pessoas que disseram que ele fez algo errado são duas pessoas que claramente mentiram. As evidências se encaixam para expor uma mentira”, disse Brindley.

Mary Judge, advogada de Brown, alegou que ele era apenas “um assistente” de Kelly, que não sabia das irregularidades e, portanto, não poderia estar envolvido no encobrimento.

A parte final do julgamento será retomada hoje à tarde, com o juiz e o advogado de Kelly.