Juliana Didone anuncia fim do casamento: 'Nossa separação é amigável, madura'


Juliana Didone. Foto: reprodução/Instagram/julianadidone

Pouco mais de um ano após o nascimento da filha, Liz, Juliana Didone anuncia o fim do casamento com o artista plástico Flávio Rossi. Em entrevista à revista “Crescer”, a atriz de “Topíssima”, na Record, diz que os dois, juntos por seis anos, estão há um tempo separados, mas que ainda têm “um elo profundo”.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Segue a gente!

“Nossa separação é amigável, madura e a gente se ajuda. Ele é do bem, especial e seguimos perto, mas com essa distância - como amigos agora. Ele mora aqui do lado, está sempre com a Liz, é um pai sempre presente e atento”, contou a intérprete, de 34 anos.

Leia também:

Juliana comentou ainda sobre a gravidez, período em que engordou 20kg, e a volta ao trabalho com a filha pequena. “Você volta reabastecida! E estou me divertindo muito com a Yasmin. Ela é leve, alegre, descobre o grande segredo da novela - e tem uma carga por trás desse segredo -, mas é muito divertida, bem humorada e tem um estilo ‘mafiosa atrapalhada’. Tem sido muito bom voltar com ela. Acho que a maternidade é tão dramática que eu estava precisando fazer algo assim”, contou ela, que conta com o apoio de uma babá.

Juliana Didone e a filha, Liz. Foto: reprodução/Instagram/julianadidone

A atriz diz que tem uma rotina com a filha: elas acordam às 7h da manhã e fazem o primeiro passeio do dia. “Ela já aponta o dedinho pra fora, querendo passear. A babá chega – que é meu braço direito durante a semana – e normalmente vamos à praia, pois eu gosto de jogar vôlei de areia, dar uma corrida e ler os meus textos ao ar livre. Levo ela junto, brinco, faço minhas atividades, ela dorme... Eu sigo para o trabalho e ela passa o dia com a babá”, disse ela, que faz questão de passar as noites com Liz depois das gravações.

Segundo ela, a bebê ainda acorda duas ou três vezes por noite. “Já penso sobre desmamá-la. Sinto que não tenho mais tanto leite, é mais um afeto e aconhego. Não fiz nada muito ‘rígido’, mas porque ainda não cheguei no meu limite. O desmame envolve tantas questões emocionais e psicológicas que vão além do leite. Cada crianças tem seu tempo, mas por enquanto tenho só observado a necessidade dela”, afirmou.