Juliana Alves sobre quarentena com a filha de 2 anos: "Flexibilizando muita coisa"

·3 minuto de leitura
Juliana Alves a filha Yolanda (Foto: Reprodução/Instagram)
Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

A atriz Juliana Alves se tornou uma das maiores vozes quando o assunto é maternidade - além de todo seu ativismo social e engajamento na carreira artística. Mãe da pequena Yolanda, de quase 3 anos, fruto do relacionamento com o diretor Ernani Nunes, a artista compartilha a criação da filha com seus seguidores nas redes sociais desde 2017.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter, e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário

Sabemos que o isolamento social não tem sido fácil para ninguém, principalmente para os pai, e crianças que não entendem a situação provocada pelo coronavírus e se condicionadas em um mesmo espaço físico e com as mesmas pessoas por volta diariamente.

Assista também

Minutos antes de começarmos o bate-papo no Yahoo Entrevista, Ju explica que gravaria no quarto, pois Yolanda estava na sala e a prioridade era ela.

Assim que iniciamos a conversa, a atriz desenvolve o assunto, e aproveita para compartilhar como tem sido o isolamento com a filha.

"Por que a prioridade a ela? Porque eu tenho capacidade de entender, me adaptar e reorganizar a minha vida para o que tá acontecendo. E ela muitas vezes não entende. Porque tá o tempo todo dentro de casa, cheia de limitações, pode brincar aqui, pode brincar ali; não pode brincar com isso; tem que lavar a mão.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Aí você ensina um monte de coisas novas para as crianças, novas não, protocolos muito rígidos. Então, para não ser uma coisa muito assustadora e opressora, estou flexibilizando muita coisa com ela e buscando os momentos que eu preciso estar com ela, para que ela também desenvolva, para que ela também perceba a minha presença e a capacidade que ela tem de se desenvolver através das brincadeiras.

Esses momentos são importantes. Quando eu tenho que botar uma roupa na corda [varal], eu chamo ela. Quando eu tenho que tirar a roupa da corda, eu chamo ela também… Uma faxininha assim mais de leve. Ela tem uma vassoura e tem um rôdo, aí ela super tá achando que tá limpando também. Mas tem momentos da sujeira também, que eu pinto e sujo tudo com ela. A gente faz aquelas atividades que a criança ama, aquela bagunça. Quando eu preciso fazer uma coisa na cozinha por muito tempo, eu estendo um desses tapetinhos impermeáveis pra ela, eu coloco umas panelinhas que ela tem, uma mini cozinha, e coloco um pouquinho de farinha, três grãozinhos de feijão… aí ela fica mexendo, achando que ela tá fazendo comida, e assim nós vamos. Assim caminha até a liberdade. Que venha logo", torce Juliana, contando como tem sido a quarentena em família.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos