Juiz rejeita parte das alegações de Meghan Markle de ação contra jornais britânicos

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Justiça britânica decidiu excluir parte das alegações feitas por Meghan Markle, 38, no processo que ela move contra as publicações britânicas Daily Mail e Mail on Sunday devido à divulgação de trecho de uma carta que ela escreveu ao pai em 2018. Apesar disso, a duquesa seguirá com a ação.

O juiz Mark Warby decidiu que não há provas de que as publicações tenham agido com desonestidade ou que tenham provocado deliberadamente problemas entre Meghan e e seu pai, Thomas Markle, 75. A decisão foi tomada em audiência prejulgamento ocorrida em Londres, na última sexta-feira (24).

Segundo a revista People, Meghan e o príncipe Harry acompanharam a audiência, de Los Angeles, por uma videoconferência, devido à pandemia do novo coronavírus.

Com a decisão, o caso jurídico se concentrará apenas em saber se os veículos de comunicação violaram a privacidade de Meghan e as leis de direitos autorais e proteção de dados do Reino Unido ao veicularem trechos de uma carta escrita por Meghan apenas três meses após seu casamento.

Ao todo, cinco artigos publicados em fevereiro do ano passado são apontados no processo, que deverá ser julgado apenas no final de 2020 ou ainda no início de 2021.

Os advogados de Meghan afirmaram à revista People que ficaram surpresos com a decisão do juiz. Apesar disso, eles prosseguirão com a ação. "A decisão deixa muito claro que os elementos principais deste caso não mudam e continuarão avançando", disse o escritório de advocacia Schillings em comunicado.

"Os direitos da duquesa foram violados, as fronteiras legais em torno da privacidade foram ultrapassadas", continua o comunicado, que apontou ainda que as publicações "usaram táticas distorcidas, manipuladoras e desonestas para atacar a duquesa de Sussex".

Harry e Meghan anunciaram em janeiro passado que se afastariam dos deveres reais e se tornariam financeiramente independentes. Após uma breve passagem pelo Canadá, o casal se instalou na Califórnia no mês passado, onde ficaram sua primeira aparição pública distribuindo comida a doentes.