Jovem trans viraliza com vídeo de vovós lésbicas: "Minha família é uma bênção"

Lucas Pasin
·3 minuto de leitura
Dante Oliver e as avós Iani Costa,e Margareth Medeiros (Foto: Reprodução/Twitter @olivierdante)
Dante Oliver e as avós Iani Costa,e Margareth Medeiros (Foto: Reprodução/Twitter @olivierdante)

Existem algumas histórias que trazem aquele ‘quentinho no coração’, uma sensação de que a internet nem sempre é uma terra de ódio, mas também de muita representatividade. Exemplo disso foi neste mês, quando o jovem transexual Dante Oliver, de 24 anos, de Recife, publicou um vídeo no Twitter de um momento leve e romântico de suas avós, o casal de lésbicas Iani Costa, de 68 anos, e Margareth Medeiros, de 59 anos. A publicação já ultrapassa 1,5 milhão de visualizações.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter

Em conversa com o Yahoo, Dante fala como é ter uma grande representante LGBTQIA+ na família e lembra a feliz coincidência de seu vídeo viralizar justamente em agosto, Mês da Visibilidade Lésbica.

Leia também

“Não esperava que fosse viralizar, o Twitter é uma rede social que uso pouco. Inicialmente tive aquele susto quando amanheci no dia seguinte a postagem e já tinha 6 mil curtidas. Foi só crescendo. Quando passou de 1 milhão de visualizações eu avisei minhas avós (risos)”, conta ele, que curtiu ao lado da família o carinho recebido: “Teve tanto comentário bom, tanta gente falando que queria envelhecer como minhas avós. Deu aquele quentinho no coração, sabe? Minha família é uma bênção.”

Na postagem, Dante mostrou o momento das avós – casal que já viveu casamento heterossexual e vivem juntas há 11 anos. Ele postou o vídeo e escreveu: “Minha vó dançando cubana com sua boyzinha foi a melhor coisa do meu dia”.

O jovem, no entanto, sabe que sua família poderia ter sido alvo de preconceito, mas agradece que isso não tenha acontecido: “Tive essa preocupação sim, a gente sabe que a internet não é fácil. Mas eu e ela só recebemos amor. Foi uma feliz coincidência que esse vídeo tivesse tanto alcance neste mês importante para a comunidade lésbica.”

Ver essa foto no Instagram

Tem dias que a gente gosta mais da gente do que outros, né?

Uma publicação compartilhada por Dante Olivier 志恺 (@olivierdante) em

Minha avó sabia que eu não era uma menina padrão”

Dante entendeu sua transexualidade aos 16 anos, na época vendo o ator Tarso Brant - que auxiliou Gloria Peres na novela “A Força do Querer” - como uma possibilidade de referência. Porém, somente aos 19 anos ele resolveu expôr para a família o processo todo que enfrentaria.

O jovem sempre teve o apoio da avó Iani, que, segundo ele, sempre soube que ele não era uma ‘menina padrão’.

“A minha avó não identificava a transexualidade em mim porque era algo muito novo pra nós. Mas ela achava que eu era sim sapatão, e por um tempo fui mesmo. Ela sabia que eu não era uma menina padrão”, diz ele, que relembra certo sofrimento até se sentir livre para ser quem é: “Descobri a mudança corporal por conta do Tarso, mas fui buscando outras referências. A primeira sensação foi de medo, de que só era possível ser um homem trans fora do Brasil, ainda mais no recorte que estou, num interior do país, com pessoas com a cabeça muito complexa. Estudei em escola de freira, tudo foi muito complicado no começo, mas hoje estou muito feliz com quem me tornei”.

Para Dante, ser homem transexual e ter um casal de lésbicas como avós, é algo somente para agradecer: “Ter um familiar LGBTQIA+ é uma benção. Não só por isso, mas por ter a oportunidade de aprender mais sobre uma realidade que não é sua, sobre como pessoas são diferentes e o quanto isso é enriquecedor.”