Jovem prodígio H.E.R leva R&B gostosinho a palco principal do Rock in Rio

LAURA LEWER
RIO DE JANEIRO - RJ - BRASIL - 05.09.2019 - 18h00: ROCK IN RIO. Show da cantora H.E.R. no palco Mundo, no penúltimo dia do festival Rock in Rio, realizado no parque olímpico, na zona oeste do Rio de Janeiro. (Foto: Adriano Vizoni/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Em um Rock in Rio de muitas repetições e poucas estreias, um show como o apresentado por H.E.R. (acrônimo de Having Everything Revealed) neste sábado (5) foi um sopro de novidade em muitos sentidos.

A americana de 22 anos não só estreou no Brasil, como também foi a artista mais nova e menos conhecida a pisar no palco principal desta edição.

Por esses mesmos motivos, a inclusão de Gabi Wilson no posto mais alto do Rock in Rio e em seu dia mais pop pode parecer fora de lugar, apesar de seu R&B premiado pelo Grammy, comparado a Lauryn Hill e elogiado por Rihanna e Alicia Keys.

Em cima do palco com os óculos que ela nunca tira --herança misteriosa do ano após sua estreia, em 2016, quando sua identidade ainda era mantida secreta-- ela abriu o show com "Carried Away", do seu disco "I Used to Know Her", deste ano.

Ao longo do repertório bem equilibrado entre o último trabalho e seu disco de estreia, uma junção de dois EPs lançados em 2016 e 2017, ela passou por alguns sucessos como "Focus", "Hard Place" e "Best Part", parceria com Daniel Caesar, cantados pela plateia.

Ela uniu um vozeirão e seu R&B gostosinho de letras apaixonadas a ritmos como o reggae, o soul e o rap, elogiou a beleza e a comida brasileira, arranhou um português e mostrou sua habilidade no violão, baixo, piano e guitarra, tocando com o instrumento na nuca.

Ainda fez covers de Foy Vance ("Make it Rain") e Lauryn Hill ("X-Factor"), deu um gostinho de Sister Nancy e fez uma homenagem à música brasileira.

Enquanto tocava percussão e pandeiro, uma versão batidão de "Mas que Nada", de Sérgio Mendes, foi acompanhada por dançarinos e seu DJ.

Não facilitou o fato de a multi-instrumentista ter sido escalada para tocar entre as festas de Anitta e Black Eyed Peas, mas o público, apesar de bem menor do que o dos co-headliners de dias anteriores, deu uma resposta mais carinhosa à cantora.

H.E.R provavelmente teria sido recebida melhor em um festival com público mais segmentado como o Lollapalooza, mas seu recado foi muito bem dado se tudo o que se leva em conta é a música.