Jovem morre de Covid-19 após participar de festa em igreja e ser medicada com hidroxicloroquina pelos pais

Extra
·2 minuto de leitura

Uma jovem de 17 anos morreu de Covid-19 após ser levada pela mãe para uma festa em uma igreja na Flórida, Estados Unidos, e receber sem prescrição médica uma medicação que não tem eficácia comprovada contra a doença. Além do sobrepeso, Carsyn Davis tinha complicações imunológicas por ter se recuperado de um câncer com apenas dois anos e era portadora de uma doença autoimune.

A festa realizada em junho teve a presença de cerca de 100 pessoas, que não respeitaram os distanciamento social ou usaram máscaras. No Facebook, o evento se chamava "Festa da Libertação" e prometia jogos, brindes, comida e muita música.

Leia também:

Um médico legista constatou que a jovem apenas foi levada para um hospital uma semana após ficar doente e os pais lhe deram azitromicina e hidroxicloroquina durante esse período. A cloroquina foi muito divulgada pelo próprio presidente dos EUA, Donald Trump, como possível tratamento para a doença, o que já foi negado por especialistas. A própria Agência de controle de alimentos e medicamento do país emitiu alertas de que a droga poderia causar problemas cardíacos que poderiam levar a morte.

O caso ganhou grande repercussão no fim de semana após ser divulgado em uma plataforma sobre vítimas do coronavírus mantida pela cientista de dados Rebekah Jones. Vários profissionais de saúde e médicos condenaram as ações tomadas pela família nas semanas anteriores à morte de Carsyn, que ocorreu no dia 23 de junho.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Inúmeras homenagens foram feitas à adolescente. A mãe de Carsyn, Carole Brunton Davi escreveu em um comunicado que durante o tratamento de Covid-19, a filha nunca "chorou, reclamou ou expressou medo". Segundo a mãe, mesmo com algumas complicações de saúde, "Carsyn permaneceu ativo em sua comunidade". Ela era membro da equipe de boliche do time do colégio e fazia trabalhos voluntários. A família destacou ainda que a adolescente era "uma cristã devota e seguidora de Jesus" e "ativamente envolvida na Igreja da Juventude na Primeira Assembléia de Deus em Fort Myers".

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.