Jove sofre homofobia no "Pantanal" e trama erra ao tratar preconceito como brincadeira

Antes mesmo da estreia de "Pantanal", os atores Marcos Palmeira e Jesuíta Barbosa, que interpretam os protagonistas José Leôncio e Jove, já haviam falado que a trama falaria sobre o choque de culturas entre os rincões do Pantanal e a criação urbana do personagem mais jovem. Isso foi visto de forma clara com a chegada de Jove, que não conhecia o pai, ao Pantanal, onde logo foi vítima de preconceito por não ser o tradicional "macho" esperado pelos peões da fazenda.

A trama mostrou os peões de José Leôncio se reunindo para tirar sarro de Jove, falando que o jovem "voltou quebrado" do Rio de Janeiro. O personagem Tenório, interpretado por Murilo Benício, disse que o jovem "podia não ser gay, mas levava jeito de mulher".

A cena foi incômoda para o espectador por não se posicionar criticamente diante da homofobia, que é crime no Brasil. O momento foi filmado como se fosse uma brincadeira, uma falta de informações dos peões, sendo que o caso é mais grave.

A novela só se posicionou de forma mais contundente no fim da cena, quando Guta, filha de Tenório, enfrenta o pai para questionar o que aconteceria caso ela fosse lésbica. A cena serviu para mostrar que a LGBTQIA+fobia mata no Brasil de forma inclemente, mas ainda foi muito suave diante do tempo de câmera que as cenas homofóbicas ganharam no episódio.

Salto de 20 anos

Mais cedo do que o previsto, "Pantanal" entra nesta terça-feira (12) em sua segunda-fase e deixa para trás atores consagrados para focar em novas tramas e no amadurecimento da história. Bruna Linzmeyer, Leticia Saller e Renato Góes se despedem de seus personagens, e o remake aposta na dicotomia entre campo e cidade para atualizar a trama original e trazer discussões mais contemporâneas.

Agora interpretado por Marcos Palmeira, José Leôncio é um homem de posses, e comandado muitas terras ao lado de Filó (Dira Paes) e Tadeu (José Loreto). O pensamento do personagem permanece em Jove (Jesuíta Barbosa), seu filho com Madeleine (Katine Teles) que cresceu no Rio de Janeiro sem nenhum contato com o Pantanal.

Jove cresceu achando que o pai tinha morrido, mas logo descobre a existência de José Leôncio e parte para o Pantanal. Ao chegar no território desconhecido, ele conhece Juma (Alanis Guillen), que permanece vivendo isolada como ensinado por Maria Marruá (Juliana Paes).

Ao falar sobre o conflito de gerações e tradições dos personagens vindos da cidade para o Pantanal, Jesúita Barbosa explicou que Jove simboliza como as discussões evoluíram nos tempos atuais. "Ele é um personagem que se envolve de forma antagônica. Um cara que chega da cidade, urbano, cosmopolita, e vai para um ambiente totalmente diferente. Mas eu gosto que não é aquela discussão paternalista, do pai peão que quer que o filho seja macho. O Jove é complicado, porque ele vai para o Pantanal, depois leva a Juma pra cidade... é um diálogo que não para entre cidade e natureza. Mas é uma relação violenta, sempre será".