Sem tatuagens, Lellê coloca piercing microdermal e recomenda: "Traz autoestima"

Lelê colocou o terceiro piercing microdermal (foto: Reginaldo Teixeira / Globoplay)
Lellê colocou o terceiro piercing microdermal (foto: Reginaldo Teixeira / Globoplay)

Resumo da Notícia:

  • Lellê já tem três piercings microdermal e é uma opção de beleza

  • A atriz e cantora considera a joia um diferencial e recomenda a aplicação

  • Médica dá dicas sobre cuidados e a escolha do tipo de piercing

Lellê agora tem mais um ponto de brilho no corpo. A atriz e cantora colocou há cerca de dois meses seu terceiro piercing microdermal. O modelo fica fixo por dentro da pele e já ganhou adeptas como Giovanna Antonelli.

Em conversa com o Yahoo, a jovem contou que já tinha outros dois em um lugar mais escondido. “Furei aqui primeiro (apontando para a região do cóccix). Esse um amigo meu que me inspirou. Ele furou primeiro, aí furei. É uma coisa diferente, porque não tenho nenhuma tatuagem, mas disso gosto”, explicou.

Lelê mostra seus piercing's microdermal (foto: Reginaldo Teixeira / Globoplay)
Lellê mostra seus piercing's microdermal (foto: Reginaldo Teixeira / Globoplay)

O acessório foi para se diferenciar, mas ela recomenda? “Com certeza, porque traz autoestima. Acho que isso me deixaria diferente. Mas dói”, responde. Os cuidados, após a aplicação, foram com uma limpeza atenciosa durante um mês e protegendo a joia com um curativo adesivo sempre.

Nós também buscamos a dermatologista dra. Letycia Lopes para comentar sobre o modelo do piercing, que tem apenas um ponto de entrada no corpo. Ela destaca que é preciso ter um cuidado redobrado na higienização, que é mais difícil.

Lelê mostra seus piercing's microdermal (foto: Reginaldo Teixeira / Globoplay)
Lellê mostra seus piercing's microdermal (foto: Reginaldo Teixeira / Globoplay)

“Nos primeiros dias devem ser usados agentes antissépticos e evitadas atividades físicas, sauna, piscina e mar para evitar piora da inflamação local e infecções”, ressaltou a médica que é pós-graduada nem dermatologia.

A profissional reforça que a joia deve ser titânio ou aço cirúrgico. “É muito importante realizar o procedimento em estúdios liberados pela ANVISA. Deve se observar se os materiais utilizados estão devidamente esterilizados (eles são esterilizados em uma autoclave e selados, vêm dentro de um saquinho fechado) e se os descartáveis serão jogados fora”, recomenda.

A pessoa que optar pelo implante deve ficar atento a qualquer sinal de rejeição do corpo como: “saída de secreção, dor intensa, inchaço e vermelhidão após poucos dias do procedimento”. Ao sentir os sintomas a pessoa deve buscar um médico. “Já que pode ser considerada uma mini cirurgia, sendo necessária a realização de uma incisão (corte) na pele para a sua retirada”, conclui.

A escolha deste tipo de piercing é contraindicada pela médica para pessoas que têm histórico de alergia a metais e com alteração de cicatrização, como queloides e cicatrizes hipertróficas.