John Boyega diz que seu personagem em Star Wars foi deixado de lado por ser negro

Rafael Monteiro
·3 minuto de leitura
John Boyega como Finn em Star Wars: A Ascensão Skywalker (reprodução)
John Boyega como Finn em Star Wars: A Ascensão Skywalker (reprodução)

Diante de uma multidão, John Boyega fez um discurso emocionante em protesto do Black Lives Matter no Hyde Park, em Londres, em junho deste ano. Durante a sua fala, ele disse que não sabia o que seria da sua carreira como ator após a participação na manifestação e emocionou os presentes ao dizer: “todos os negros aqui se lembram de quando outra pessoa lembrou que vocês eram negros.”

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Em entrevista à GQ britânica, publicada nesta quarta-feira (2), o ator surpreendeu ao revelar que a sua experiência como Finn nos filmes "Star Wars: O Despertar da Força", de 2015, "Star Wars: Os Últimos Jedi", de 2017, e "Star Wars: A Ascensão Skywalker", de 2019, foi o que o impulsionou a se tornar uma “pessoa mais militante", faceta vista no discurso antirracista. Na visão, o seu personagem foi discriminado na história pelo seu tom de pele.

Leia também

"Sou o único integrante do elenco que teve sua experiência na franquia baseada na raça", desabafou. "Um processos desses te deixa com raiva. Te deixa mais militante; ele muda você. Por que você percebe: 'Eu ganhei essa oportunidade, mas estou em uma indústria que nem está preparada pra mim. Ninguém viveu isso, e, ainda assim, tem gente surpresa que estou assim. Essa é a minha frustração."

Segundo o ator britânico, Finn, Rose Tico (interpretada por Kelly Marie Tran, atriz com ascendência asiática) e até mesmo o piloto Poe Dameron (vivido por Oscar Isaac, a quem Boyega chama de "irmão da Guatemala") acabaram se tornando personagens periféricos na trama, servindo de escada para os atores brancos, como Daisy Ridley (Rey) e Adam Driver (Kylo Ren).

"Eles sabiam o que fazer com Daisy Ridley, o que fazer com Adam Driver. Mas quando chegou a Kelly Marie Tran, quando se tratou de John Boyega, não sabiam p... nenhuma. Então, eles querem que eu diga: 'Gostei da experiência. Foi uma grande experiência. Não, não não. Eu vou dizer quando for uma grande experiência", diz Boyega.

"Eles deram todas as nuances para Adam Driver, todas as nuances para Daisy Ridley. Sejamos honestos. Adam sabe. Daisy sabe. Não estou expondo nada novo", continuou, dizendo que o seu personagem em Star Wars foi apenas uma jogada de marketing usada pela Disney.

"O que eu diria à Disney é: não traga um personagem negro, faça marketing em cima dele de como ele é tão diferenciado na franquia, para depois jogá-lo de lado. Isso não é bom. E vou falar diretamente disso", criticou. Além disso, Boyega ainda criticou o estúdio por reprimir o seu figurino e cabelo em coletivas de imprensa.

“Eu topei (as recomendações da equipe de figurino e cabelo da Disney) durante as coletivas de O Despertar da Força. E na época estava genuinamente contente de fazer parte de tudo. Mas meu pai sempre disse uma coisa: “Não gaste seu respeito em excesso”. Você pode ser respeitoso, mas às vezes estará se colocando como inferior", finalizou.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube