Chefe de campanha de Biden vê fala 'ultrajante' de Trump e garante: 'apuração não vai parar'

·1 minuto de leitura
Foto: AP Photo/Andrew Harnik
Foto: AP Photo/Andrew Harnik

A campanha do democrata Joe Biden rebateu a declaração de Donald Trump, que afirmou que irá pedir à Suprema Corte que a contagem dos votos das eleições norte-americanas seja interrompida. Jen O’Malley Dillon, chefe da campanha de Biden, classificou a fala de Trump como “ultrajante".

"É incorreto porque não vai acontecer. A contagem não vai parar. Irá continuar até que todo voto registrado seja contado. Porque é o que nossas leis -- as leis que protegem o direito constitucional de todo americano votar -- requerem", escreveu Jen em nota.

Leia também

A chefe da campanha de Biden respondeu que os democratas também acionarão a Justiça caso Trump insista na paralisação da apuração e garantiu ter “equipes jurídicas prontas para se mobilizar para resistir".

Por volta das 4h30 da manhã, horário de Brasília, Trump anunciou que irá questionar o sistema de votação na Suprema Corte e ventilou a possibilidade de fraude, anunciando uma vitória que ainda não está oficializada.

"Nós vamos para a Suprema Corte, queremos que todos os votos parem. Não queremos que os votos sejam descobertos às 4 horas da manhã", disse o presidente, que afirmou que há uma fraude na votação americana. "Francamente, nós ganhamos essa eleição", disse o presidente, enquanto a apuração ainda não foi finalizada.

Trump já vinha ventilado a possibilidade de acionar a Justiça para frear a apuração dos votos antes mesmo do dia 3, dia oficial do pleito. Neste ano, devido à pandemia do novo coronavírus, diversos Estados ampliaram as possibilidades de voto pelo correio. Cerca de 100 milhões de eleitores votaram dessa forma, um recorde histórico no país.

Ao falar em “enorme fraude", Trump alegou ter vencido em Estados onde a apuração estão longe do fim.