Joaquin Phoenix, o Coringa, critica racismo em premiação do Bafta'

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Intérprete do personagem Coringa no filme de mesmo nome, o ator Joaquin Phoenix foi o vencedor do Bafta de melhor ator em cerimônia realizada neste domingo (2). 

Porém, o discurso do vencedor chamou a atenção. Ao subir para buscar o chamado Oscar britânico, Phoenix tocou na ferida do racismo sistêmico que existe em Hollywood.

"Eu me sinto em conflito porque muitos outros atores, que também merecem, não possuem esse mesmo privilégio. Eu acho que nós passamos uma mensagem muito clara para pessoas de cor: que vocês não são bem-vindos aqui", começou ele.

As indicações ao prêmio deste ano, assim como as do Oscar, sofreram críticas pela ausência de negros. E Phoenix criticou que muita gente negra que ajudou a mover a cena cinematográfica não teve a merecida reverência.

"Eu tenho vergonha de dizer que também sou parte do problema. Eu não fiz tudo que podia para garantir que os locais em que trabalhei fossem inclusivos. Eu acho que temos que fazer o trabalho duro de entender o racismo sistêmico, e que é a obrigação das pessoas que criaram, continuaram e se beneficiaram desse sistema de opressão desmontá-lo, então essa é nossa responsabilidade", concluiu ele, recebendo o aplauso de todos no evento.

Não é de hoje que Joaquin Phoenix endossa causas. Ele também já foi até preso por discursar e apoiar as manifestações contra as mudanças climáticas nos Estados Unidos.

Também fez discurso sobre o veganismo e sobre a postura de largar o consumo da carne.