João Guilherme e madrasta brigaram por política: como será o Natal? Ator te conta!

João Guilherme brigou publicamente com a madrasta nas eleições 2022 (foto: BrazilNews)
João Guilherme brigou publicamente com a madrasta nas eleições 2022 (foto: BrazilNews)

Resumo da Notícia:

  • João Guilherme brigou publicamente com Poliana Rocha, sua madrasta, sobre política

  • O jovem de 20 anos apoiou publicamente Luiz Inácio Lula da Silva (PT)

  • Yahoo perguntou ao ator como será o fim de ano da família após a polêmica

Assim como muitas famílias brasileiras, a de João Guilherme também discordou sobre política nas Eleições 2022. O ator fez uma escolha contrária a do seu pai, Leonardo, e isso causou uma crise pública nas redes sociais. Mas como fica o Natal da família? Yahoo te conta.

Lula X Bolsonaro

Primeiro vamos lembrar que João começou a falar de política quando declarou publicamente que seu voto seria em Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o presidente eleito, por ele se alinhar mais aos seus ideais. A opinião era contrária a do pai biológico, Leonardo, que apoiou o atual presidente, o primeiro a ser derrotado na disputada reeleição.

Mas o quiproquó aconteceu quando ele criticou publicamente o cantor após ele posar, e discursar, ao lado do líder do executivo junto a Gusttavo Lima, Chitãozinho, Fernando Zor, Zezé Di Camargo, Sula Miranda e outros. Foi quando sua madrasta também usou sua conta no Instagram para pedir respeito.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

“Vi uma pessoa levantando um uma puta duma jogada de um lado, né? Eles fizeram uma coletiva de imprensa e uma puta coisa muito grande ali e uma possível vantagem. Eles jogaram bonito ali com pessoas queridas e influentes em várias camadas da sociedade. E entendi que precisava me posicionar e fazer um barulho que fosse grande. Aí fui me mexer porque não poderia dar errado”, contou João Guilherme ao Yahoo.

Para o jovem de 20 anos, não era uma possibilidade ficar inerte à possibilidade do candidato Bolsonaro ser reeleito. “Somos peças nas nossas posições, engrenagens desse grande jogo, e sei da minha influência entre jovens. E essa foi a eleição que mais jovens votaram e tiraram o título de eleitor. Acho isso foda porque demorei para ter uma consciência política”, refletiu.

Despertar político

No Brasil, é possível votar a partir dos 16 anos. Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), neste ano, entre os jovens com 15 a 17 anos, o número de novos títulos passou de 199.667 em fevereiro para a marca de 290.783 em março, crescimento superior a 45%. "Chama a atenção o aumento da procura pelo documento entre aqueles com apenas 15 anos: em março, foram emitidos 23.185 novos títulos para esses adolescentes, contra 12.297 documentos feitos em fevereiro, um incremento de 88,5%", aponta o órgão.

Sobre seu despertar e a eleição de Lula, João Gui ainda disse: “É a vontade de realmente fazer mudança, de entender o que quero e não quero. De entender o que realmente estava sendo feito (pelos políticos eleitos). E aí que vi como uma urgência e decidi me posicionar. Não tinha como dar outra coisa, não tinha como pra mim”.

“Bolsonaro de novo? Mais quatro anos? Fiquei com medo, né? Pô, tive medo de não fazer nada e depois ia fazer o quê? Ficar chorando o leite derramado? Então, se quero mudança, realmente acho que é isso que eu preciso, ser parte da mudança”, avaliou João Guilherme.

E o Natal?

Diferente de muitos apoiadores do presidente, que pedem um golpe de estado após perderem a eleição, João contou que a derrota de Jair Bolsonaro (PL) e vitória de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) não é mais uma questão na relação com sua madrasta e seu pai.

“A família está bem. A gente não confunde coisas nem nada. Independente de como foi feito qualquer contato, de qualquer abordagem na internet. A vida é vida, internet é internet”, concluiu.