Joana de Verona celebra Carnaval no Brasil: “Coletivo de adrenalina e loucura”

Joana de Verona é portuguesa e está no ar em 'Éramos Seis' (Miguel Sá/Divulgação)

Joana de Verona curtiu seu primeiro Carnaval no Brasil em 2020. Luso brasileira, a atriz que está no ar em ‘Éramos Seis’, da Globo, e ‘Ouro Verde’, da Band, e conversou com o Yahoo sobre suas impressões da folia Carioca.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

E nos siga no Google News: Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

“É muita euforia, a Cidade para, então depende muito do mood da pessoa. Pode ser que você esteja muito festeira e queria pular carnaval nos cinco dias inteiros, ou não. Estou em um misto que quando vejo uma muita confusão, multidão, já me suga uma energia e quero fugir do Rio e ir para a Serra”, afirma atriz que se jogou no Baile do Sarongue, Baile do Copa, Nosso Camarote e em blocos de rua.

Leia também

Na verdade, essa é a primeira folia já adulta no país. “Desfilei com 12 anos na escola Tradição, com a minha mãe, na Sapucaí. Desde então eu nunca mais curti Carnaval no Rio”, comentou. Uma coisa permeou a folia da atriz: o amor pela dança. “Adoro e às vezes sou um pouco inimiga do fim, mas por conta da energia. Quando você está confortável, em um grupo legal, que é eclético para transitar em vários ambientes: bloco, Sapucaí, baile do Copa, salvador... tudo fica mais fácil”, revela.

Discreta, ela se esquiva ao comentar sobre amores de Carnaval. “Nunca falo sobre essas coisas, sabia. A imprensa brasileira pergunta tudo... Mas estou bem, feliz”, despista. Joana não nega ser difícil na conquista: “Entrar por aí... Mas sou tranquila”, revela.

Feminista e defensora da liberdade, ela prega: “Cada um se comporta como quer... O Rio de Janeiro já é eufórico, né, por norma. No Carnaval isso se transforma em um estado coletivo de adrenalina e loucura ao quadrado. Só acho que não vale violência, invadir o espaço do outro, jogar lixo no chão e deixar a rua uma zona. De resto: pessoas mais ou menos vestidas, mais eufóricas, beijando na boca ou não, não importa”.