JK Rowling é acusada de antissemitismo devido a personagens de 'Harry Potter'

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A autora e roteirista JK Rowling, 56, foi acusada de antissemitismo pelo humorista judeu Jon Stewart. Em entrevista ao podcast On The Problem, ele afirmou que a representação dos duendes que administram o Banco Gringotes na saga "Harry Potter" é uma alusão aos judeus.

O humorista diz que a forma com que as criaturas mágicas são retratadas, principalmente nos filmes, é muito parecida com as ilustrações antissemitas do livro "Os Protocolos dos Sábios de Sião", de 1903, que foi criado na Rússia czarista e usado durante o nazismo.

O documento era falso e dizia que os judeus possuíam um plano para dominar o mundo e acabar com a cultura ocidental. "Falando com as pessoas digo: você já viu um filme de 'Harry Potter'? Você já viu as cenas no Banco Gringotes? Você sabe o que são essas pessoas que dirigem o banco? Judeus!", disse.

"Não, isso é uma caricatura de um judeu de uma obra antissemita da literatura", completou Stewart. "Foi uma das coisas que vi nos filmes e esperava que as pessoas se chocassem. 'Ela não fez isso! Ela botou judeus para comandarem um banco subterrâneo'. E todo mundo só pensava: 'ah, os bruxos!'. Foi tão estranho". Até o momento, a escritora não se manifestou sobre a acusação.

A autora de "Harry Potter" tem sido criticada por causa de uma série de tuítes feitos por ela em resposta a um artigo de opinião do site de desenvolvimento global Devex, que deixou Rowling ressentida com a manchete "criando um mundo mais igualitário pós-Covid-19 para pessoas que menstruam".

"'Pessoas que menstruam'. Tenho certeza que costumava haver uma palavra para essas pessoas. Alguém me ajude? Wumben? Wimpund? Woomud? (modificações propositais da palavra "Woman", inglês para mulher)", disse Rowling na ocasião.

Críticos apontaram que as visões de Rowling igualavam feminilidade à menstruação, enquanto muitos homens transsexuais menstruam, e muitas mulheres, não. Ela então, rebateu dizendo que apagar o conceito de sexo "remove a capacidade de muitos de discutir significativamente suas vidas".

As declarações de JK Rowling acabaram sendo criticadas também por atores de sua famosa franquia de filmes, como o protagonista Daniel Radcliffe, 30. "Como ser humano eu senti necessidade de dizer algo. Mulheres trans são mulheres. Está claro que precisamos apoiar as pessoas transgêneros e não-binários", postou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos