Jéssica Ellen faz homenagem para a mãe: "Me livrou do pesadelo da pedofilia"

Bárbara Saryne
·2 minuto de leitura
Foto: Reprodução/Instagram/@jessicaellen
Foto: Reprodução/Instagram/@jessicaellen

Jéssica Ellen fez um texto emocionante na noite desta segunda-feira (17). A atriz falou abertamente sobre um caso de assédio que sofreu na infância e agradeceu à mãe por tê-la defendido e evitado o pior na época. O caso narrado pela artista aconteceu na própria Rocinha, onde morava com a família.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter

“Sempre que estava sozinha na laje, estendendo minha calcinha, ele [homem com cerca de 70 anos] ficava chamando o meu nome. Dizia que eu era muito bonita e que na casa dele tinha muitos doces... Eu tinha medo dele. E tinha nojo também”, diz Jéssica.

Leia também

Quando percebeu que o homem não a abordava quando estava na companhia de outras pessoas, a atriz resolveu contar o que estava acontecendo para a mãe. Na mesma hora, a mulher notou que algo estava errado e quis saber se algo mais tinha acontecido. “Ela perguntou: ‘O que ele fez? Ele te tocou?’. Eu disse: ‘Não, mãe, ele não me tocou. Mas toda hora fica falando que sou bonita”, recorda a artista.

De acordo com o relato, a mãe soube que aquilo era o suficiente para intervir. Ela pediu, então, para ser chamada quando o homem voltasse a procurá-la. E assim foi feito. “Minha mãe subiu na laje como uma leoa. A birosca, que estava cheia de homens enchendo a cara de cachaça, ficou vazia. E o velho murcho, ouvindo todas as palavras de uma senhora búfalo, mulher de Oyá defendendo suas crias”, conta a atriz, que nunca mais viu o assediador na vida.

Com o coração grato pela atitude da mãe, Jéssica lamentou o fato de muitas crianças não terem a mesma chance e agradeceu pela sensibilidade e garra de sua genitora. “Minha mãe, sempre atenta, forte e guerreira, me defendeu, me confirmou que o assédio do velho branco era algo errado”, escreveu.

A global falou sobre o assunto após a repercussão do aborto de uma menina de 10 anos vítima de um estupro. Segundo Jéssica, esse assunto nem deveria ser discutido. “Uma criança de 10 anos não é capaz de gerar outra vida. Infância é para ser o momento mais puro e belo de nossas existências na terra.”